"A morte como mantenedora da vida, é uma condição quântica, de energia condensante e impermanente..."


Imprimir

Postado em 22.07.2013.

Por Dilmar Dutra – Biomédium autodidata em Ciências Integrais e Espiritualidade Ecumênica Universalista e Holográfica. Escritor Científico e Espiritual – Um facilitador a serviço da humanidade.

.

 

Assim como, a relatividade é inerente à existência, se mostra pelos Campos conhecidos e rotulados de Morfogenéticos e de Influências, que de forma sempre transitória, interagem com todas as corporificações, ou seja, toda cadeia almática de prezas e predadores, se nutre do que esse “Campo supracitado” lhes proporcionam, por engolfamento, comendo, se alimentando e digerindo, se saciando, desde a ebulição, fermentação perspiração e respiração, por um código inserido pela “Matriz Criadora e Divina” em todas as corporificações celulares e moleculares, que por sua vez, atraem além de moléculas RNA primário e de DNA secundário, unidades químicas acelulares (vírus), bem como, outras moléculas solúveis na molécula mãe, rotulada de água, exemplo ATP, mTHOR etc. 

Que produz uma solução liquida chamada de amniótico nos animais, onde os humanos se enquadram, por nascimento pela meiose, com procedimento codificado, para retirarem do Campo de Influência sob inteiração, a partir da cognição, que capta do Campo para o Corpo onde toda sua constituição orgânica, tem códigos simbiônticos, inclusive para capitar da “não localidade campal” e guardar dados informacionais, pelas memorias filogenéticas das membranas (branas) e nos animais com cérebros simbióticos corporificados, armazenar as informações sob forma de alimentação, entrando e saindo, e tudo isso, é produzido preliminarmente pelo pensamento microbiano (celular molecular), que sob intensa observação, não se manifesta em mais uma teoria, ela é real, e nos mostra, uma concretização autodidática microbiana, que os humanos e todos os sistemas vivos celulares e moleculares, bem como, os acelulares que fazem parte da vida como um todo “SER” que se manifestam sob o forte fundamento inquestionável, de que a vida, são procariotos suas proles, constituídos de células procarióticas, que engolfaram digerindo e depois sem digerir, criaram os simbiontes, adaptaram-se em simbiose as células eucarióticas, num consórcio misto, de micróbios, fungos, vírus, bacteriófagos- (fagos), de forma inteligente. Á partir, de um Sistema Criador de Matriz Divina, pelo processo de dissolução, mastigação, absorção, separando, transformando se adaptando, assim como:

Desativando seus códigos diante de condição inóspita, numa adaptalidade não conseguida e que sem ela, são levados para a extinção.

Com conclusões em “análises inteligentes e preliminares microbiana”, se manifestam na realidade como co-criadoras, construindo de maneira dirigida, sob forma não proativa e de necessidade orgânica, com consciência limitada e alimentar, agem e reagem, para suas construções, surgidas de seus excrementos, como moléculas orgânicas, (alimento e da qual surgimos de forma transitória e impermanente, numa proporção de 29% desses orgânicos, em consorcio com 01% de íons, e 70% de moléculas inorgânicas, aonde a água, como solvente da vida é predominante, e assim, somos seres mistos, com diferenças, apenas melhores adaptadas com partículas de “Consciências Ilimitadas e expansionistas”, como mais uma espécie, da Diversidade deste Planeta Microbiano, sem as condições co-criadoras, mas com torção e plasticidade, com possibilidades conscientes de descobrir, redescobrir, e manipular dados e informações, de maneira quântica e sintética, no maior avanço robótico e de prótese com a utilidade necessária, propiciada pela mecânica quântica, que muito ajudou a humanidade e continua ajudando.

 

Todavia! Nossos excrementos, por um tipo de usina codificada e corporificada, se dá, também, pela morte, uma sustentabilidade a cadeia alimentar, como resultado final de manutenção de vida, como fertilizantes e adubos que nesta condição aeróbica, em consorcio com a oxidação (ferrugem), da condição química e molecular, propiciada como alimento pela condição anaeróbica complementa a simbiose.

E o que nós fazemos, sem os aprofundamentos especializados em experimentações, neste caso com consciência em expansão, e que não há necessidade de laboratório ou campo de cultura genética, porque o resultado da experimentação é mostrado pela qualidade de conhecer a sua própria constituição.

E conhecendo a si mesmo, pelas Ciências Integrais, aonde todas as inclusões da VIDA, se encontram em sua própria constituição, estará conhecendo um fragmento do Universo.

Com um olhar de respeito a todos os sistemas Vivos, estará conhecendo uma parte considerável do Planeta.

E é justamente essa adaptalidade, sob uma visão preliminar, mas com abordagens integrais, onde as possibilidades e probabilidades se encaixam no sistema de totalidades integradas, onde só existem inclusões.

Já os sistemas ou condições que usam da apologia excludente, eu, as considero reducionista, principalmente se tiverem sido elaboradas por uma ciência isolada, discriminatória, ou em defesa de interesses escusos.

Alguns cientistas rotulam a adaptação de espontânea, coisa que eu pessoalmente, discordo e questiono face, acreditar muito nos códigos de uma matriz Divina. Crença esta! Que me faz buscar, tudo que estiver relacionado ao assunto: Como a vida, morte e a extinção. Plasmada na Essência (Pensamentos Holográficamente planejados pela Mente Psique Espirito, fragmentadas em partículas de Consciências misturadas aos gases atmosféricos potencializados pela supremacia do oxigênio, que propicia pensar e elaborar, os projetos que são construídos na existência).

É preciso separar o joio do trigo. Exemplo: Nossas colocações são unicamente de “Análise Preliminares”, com endereço para a coletividade leiga, influenciada por dogmas e mitomanias e mitologias supersticiosas, ou de Religiões, e quando me refiro à terminologia religião, estou me referindo a religação que não tem nada haver, com egrégias de Fé, eu as tenho, também. Sou Espiritualista Cristão, e não me sinto desligado da Matriz Divina.

Muito pelo contrário, como sensitivo, me sinto muito próximo e ligadíssimo, pela interação de Consciência, com a Matriz Divina.

Tenho uma noção profunda de que: Nós, os humanos, tivemos e temos capacidades de descobrir e redescobrir as ocultações e as informações, além de registrar esses dados conscientemente, como diferenças a ser respeitada, em relação às outras espécies da Diversidade Planetária.

Possuímos mãos, com coordenação motora, capazes de construir o que foi planejado pela Mente Psique Consciência Espirito, mas não estamos sós com esses predicados na Diversidade de Espécies, alguns animais, resguardadas a devidas proporções, também, são capazes de construir sem as mãos, usando o que lhes foi atribuído como os códigos específicos a sua espécies, o pássaro “João de Barro”, constrói com os pés e o bico, mas nos, os humanos como o pássaro, supracitado, não somos capazes de criar e recriar nada.

Todavia! Nossa constituição celular e molecular microbiana, com sua autodidática microbiana, está muita a nossa frente, eles nos criaram, eles criam e adaptam o tempo todo.

Toda Tabela Periódica Relativa, foi descoberta e ainda, tem muito, o que se descobrir, como criação (excretação) microbiana.

A criação que vem deles é dirigida, por códigos Morfogenéticos de Inteligências codificadas e limitadas, pela Matriz Criadora, e é inserida para uma usinagem, mantenedora da Vida pela Morte.

Para os micróbios, não existe a necessidade de uma consciência diferente, como é a nossa, que também, é uma criação microbiana, adaptada como alimento e lar simbiogênico, que vai armazenado pela consciência, de forma diferente e adaptada, com especialidades melhoradas, como condição estabelecida, pela diferença em relação aos humanos.

Mas, que não deixa de ser igual, sem a importância, que se dá aos códigos, seja, por meiose, ou seja, por divisão binária.

A meiose condiciona por nascimento, a divisão binária por replicação de vida, mas ambos, os sistemas, levam ou conduzem a morte, ou pela explosão multiplicadora que podem quebrar todas as moléculas, ao colidir com a radiação gama.

Enquanto, pela desativação desse código, em ambas as questões, podem causar a insubsistência, ou extinção, que é após, a ocorrência do ciclo vital, perpetuado pela essência na existência, onde todos caminham dependentes, da diversidade microbiana Planetária. Não existe vida sem células e moléculas.

Nossas afirmações são exclusivamente de “Análises Preliminares” e ainda, não alcançaram o Patamar Acadêmico, que necessita do laboratório, e do campo de experimentações, para uma fundamentação relativa e proativa, condição que não é nossa intenção. Descobrir ou construir uma metodologia acadêmica.

Nossos propósitos são de uma linguagem coloquial, para alcançar o leigo, e assim propiciar um despertar, com a  possibilidade de expansões de consciências, a partir de sua própria constituição celular molecular, que através da autodidática próxima ao leigo, pela reflexão, fazer pelo  pensamento, uma análise preliminar, para, se livrar de dogmas, mitomanias e mitologias e compreender, que o átomo, que estava outrora numa célula de uma folha em decomposição.

Poderá ser o mesmo átomo, como constituinte daquela folha. Ser o mesmo átomo, que está fazendo parte de uma corporificação de hoje, seja, cloroplasto, ou, seja, mitocôndria, de quaisquer espécies, da Diversidade Microbiana Planetária.

Não adianta criar uma metodologia para a Rede Social, porque de nada Valeria, pois seria um complicador. 

E o nosso objetivo é o de facilitador.

A metodologia e suas especializações, cujas complexidades, envolvem experimentações de ordem genéticas, são e serão sempre, acadêmicas.

Nossas matérias, não são dirigidas a Acadêmicos, Cientistas ou Especialistas.

Mas! Para se consagrarem mais completas, deveriam estar consubstanciadas num consórcio, entre acadêmicos e autodidatas humanos, aonde tudo começou.

A Ciência é Humana, e como tal, nasceu da autodidática Humana. E quem negar isso, estará negando a própria ciência.

Quando eu pessoalmente ventilo, a possibilidade de usar a terminologia reducionista, estou me referindo as condições isoladas e excludentes, que não admitem pelo conservadorismo estagnado, se recusando a aceitar, que novos paradigmas, podem ser os complementadores, para uma expansão de consciências, que no meu modo de ver e ser, são necessárias e imprescindíveis, diante de atualizações, na contra mão de condições épicas e infantis, incongruentes, incoerentes e fora da lógica racional, principalmente nos Pentateucos e Escrituras, chamadas Sagradas, que na verdade. Foram escritas, por humanos.

Tenho Convicção de que existem dogmas, mitologias, mitomanias supersticiosas, em tudo, a começar pelas ciências e se estendem as religações (religiões) noções Espirituais, Espiritas, Cépticas, Exotéricas, Místicas e Gnósticas materialistas etc.

Todavia! Quando levamos tudo para os Sistemas de Totalidades Integradas, a margem de erros é menor, a margem de equívocos pode ser melhorada e o denominador comum, pode surgir como uma alternativa relativa, para acomodar, até mesmo, novas ideias e percepções, trazendo novas informações, que possam nos levar sempre, as novas informações complementares e expansionistas.

Não somos donos da verdade, e afirmo. Com todas as letras, que não quero aparecer, e muito menos, partir para confrontos verbais, onde as metralhadoras giratórias disparam balas maledicentes, em nossa direção, sem saberem de fato, quem somos nós.

Sempre busquei o anonimato e a preservação da privacidade, que me proporciona o tempo e o Espaço, para produzir com tranquilidade as “Análises Preliminares”, num paradigma, entre os contraditórios de opostos, onde eu possa enxergar pelas mesmas lentes, como as “Mentes Brilhantes”, que construíram a Carta de Transdisciplinaridade, com propostas de inclusões e respeito às diferenças, sem as condições infelicitórias de maledicências, desrespeitos e exclusões.

Eu não me sinto ofendido ou agredido, por irmãos espirituais, que podem estar momentaneamente, sem perceberem as interações cognitivas, de “Consciências que Importunam”, oriundas, do Campo Holográfico de Influências, onde seus corpos estejam contidos e alimentados. Ou ainda, suas próprias Consciências a se auto-importunarem, por um distúrbio psíquico.

Se eu prego e declaro, que busco um Sistema de Totalidades Integradas, eu não posso considerar só aquilo que acredito, preciso compara-lo e incluí-lo, com tudo aquilo, que outros com suas diferenças, também acreditam. Nada fica excluído. 

E é por isso, que cito muitos autores como, referências e alguns, eu cito suas colocações, para consubstanciar, sempre com mais informações, porque eu creio, que uma informação irá sempre levar a outras informações. E não existe obra que possa ser atribuída a um SER HUMANO ISOLADO.

E demais a mais! Nunca acreditei numa ciência isolada, ou em uma obra de um ser humano só.

Diante de acompanhamentos dos comportamentos das células e moléculas.

Como eu não possuo, ou disponho de recursos financeiros, para montar uma estrutura laboratorial, com campo de experimentações, e contratar Profissionais Especializados, melhores preparados, do que eu, devido ao que conheço ser uma gota. E o que eu não sei ser um oceano.

Busco, quando compro livros e revistas de autores especializados, que são compatíveis, com as possibilidades e probabilidades pertinentes e com o perfil que pode ser incluído na condição de Sistemas de totalidades integradas, cuja condição, seja, também, diferente, ou incompatível, e os coloco num paradigma de comparação, com outros autores, também, especialistas, e que fazem experimentações diversas, que contestam e questionam, ou ainda, que aceitam  partes, e rejeitam outras, de forma parcial ou total, não os excluo, incluo-os para uma análise preliminar.

E que nós entendemos e elaboramos como complementações, são trazidas, por revelações holográficas que rotulamos de essência, sem peso, massa e corpo e é Taquiônica.

O que nos recebemos ou compramos de humanos, vivos, com peso massa e corpo, ou, que por registros e anotações de mortos, é considerado por nós, como da existência, ou seja, é Quântico.

E que para mim, nunca é algo surpreendente, vejo com naturalidade, pela própria relatividade da existência, com plasticidade morfogenética e torção biológica ou química, pela dissolução aeróbica, ou pela oxidação anaeróbica, como condição sujeita a transformação e adaptação, para estabelecer uma impermanência de possibilidades e probabilidades, que cria condições multidimensionais, conforme as frequências que variam de altas ou baixas, com vibrações correspondentes (atraídas pelo que você alimentar mais).

Nas condições de existências. Todas as energias serão de condensação, e energias condensantes, são transformadas, adaptadas, como matéria prima de manipulações Espirituais, ou melhor, de “Consciências”, que decidem, após o cumprimento do ciclo de vida, ou a desativação do código de condensação, levar a energia condensante, de volta para sua dualidade de energia radiante, ou seja, os átomos, assim como, os fótons, mudam de posição, perdem o peso, a massa, abandonam descartando ou se livrando da creação energética, e são rotulados de Bósons, segundo algumas consciências holográficas Espirituais.

Não existe outra forma de isto ser descrito, que, não seja, por revelação.
 
Uma condição que só pode ser experimentada de forma intima e pessoal, sem ver, pegar, tocar, ou ainda construir, mas que pode apenas ser percebida, intuída, sentida ou projetada.

Se os sentidos não forem considerados, como realmente são: concretos e psíquicos como: {O (pensamento, essência e consciência), mais (+), a (visão, tato, audição e paladar da existência), que interage por cognição do Campo de Influência não local, reconhecido como parte ocultada da matéria densa via sentimento, como habitat natural ou lar- (Campo e Corpo). Com certeza! Será uma condição reducionista na compreensão, ou quem sabe? Uma mutilação, que só esta presente na consciência, quando se pratica a exclusão espiritual, onde só o material, será considerado e aceito. Negando sua dependência, com manifestações de ingratidão de forma culposa ou dolosa, embriagada pelo Ego; hipocrisia; prepotência; arrogância, fanatismo ou desequilíbrio em carência ou em excesso, ou ainda, pensamento alimentado por jugo reducionista}.

Condição que não pode ser avaliada como se estivesse dentro do perfil do consenso estabelecido pela carta de Transdisciplinaridade. 

 Eu de certa forma.  Agradeço sinceramente os questionamentos, pois vai aqui. Como uma forma de esclarecimento, apresentar um paradigma, que passa mostrar outras, alternativas, para aqueles que, como: quaisquer um, de vocês, ou de: (nós), precisou refletir em condições intimas e pessoais, sem respeitar as diferenças, que não são defeitos, são compreensões e avaliações incompletas, que podem estar nos ocultando dados, sem as transparências do conhecimento complementar e expansionista.

Pela física quântica (física da matéria), entendermos que através da multidicionalidade, condição simbiótica e híbrida, que é propiciada pela torção biológica, assim como, pela plasticidade morfogenética, que não pode ser permanente ou eterna, pois os códigos Divinos, que manipulam as energias são de transformação e adaptação, onde a fragmentação que ocorre pela morte, como uma das causas para manter a vida. É algo perpetuado ciclicamente, para isolar as moléculas nutricionais, até os átomos que a constituíram pela natureza, que se renovam constantemente, e é sempre ajustada, pela adaptação que a ciência moderna chama equivocadamente de espontânea precisa ser incluído como mais um elemento, da tabela interativa e periódica de novas descobertas, das criações e adaptações de excrementos microbianos.

Na verdade, tudo é induzido e codificado Divinamente, na existência pela essência espiritual fragmentada em partículas de consciências, que se misturam aos gases atmosféricos, e que, podem se manifestar através de interações por essas consciências, que colidem pela luz, água, respiração e alimentação, por interações e descartes, excretativos pelas células e moléculas, constituintes de todos os sistemas vivos, e não vivos. 

E que os humanos possam compreender que os espíritos, ou consciências holográficas, estabelecem códigos, para diversos fins, nas células procarióticas e eucarióticas, como matéria prima, para criar e ou transformar as energias radiantes sem peso, massa, corpo com inteligência limitada e objetiva, adaptando-as de suas condições radiantes sem peso massa e corpo em condensantes, com peso massa e corpo, ao usar os consórcios interativos de física quântica, chamados de “bósons” que Peter Higgs, descobriu e que recebeu seu nome e com isso estabelecer que o que é princípio, também é o fim. E o fim é o princípio, pode estar, ou ser, o mesmo átomo, que era um constituinte de uma folha em putrefação do passado, e que é o mesmo átomo constituinte, de um corpo qualquer de hoje, ou seja, espiritualmente somos em essência o que pensamos holograficamente e almaticamente em existência, somos o que comemos materialmente.

E é pelo AMOR como elo, entre a vidAMORte, constituídos pelos átomos codificados em nossas corporificações, revelados por “Jesus” que disse por metáforas ou paródias que “Eu e o Pai somos Um”. Assim como todos nós, irmãos filho do Criador Único Somos UM.

Perguntas e questionamentos inteligentes são oportunos e necessários, para estabelecermos os paradigmas contraditórios de opostos, para sociologia associativa microbiana, que acompanhada pela observação, nos servem como exemplos, dentro do Sistema de Totalidades Integradas. Porque nos ajudam a esclarecer, pelas análises preliminares, que os mostram, que dói muito, desestruturar-se, mais que é necessário e indispensável. Diante de novos paradigmas, que indicam o psicobioentrelaçamento microbiano, como sustentação fundamental de questões relativas à vida, a morte e a extinção.

Que trás no seu bojo fundamental a certeza, que só existe vida, pela forma que conhecemos constituída de células e moléculas.

Tanto faz. Se mensuradas por análise preliminares e autodidáticas, ou por metodologias de especializações e experimentações acadêmicas e universitárias. 

Quando faço estas colocações, tenho a obrigação de lembrar aos acadêmicos sentados em seus tronos por merecimento como conquista. Que tudo isso começou pela autodidática humana, que construiu toda metodologia acadêmica, que os levou pelas estruturações e financiamentos, a serem o que são hoje.

O que falta na verdade é a humildade com reconhecimento e gratidão, demonstrando apenas respeito, e é o quanto basta, para com esses corajosos autodidatas, que de certa forma possibilitaram conquistar por seus merecimentos, uma posição acadêmica ou de especialidades capazes de manipular experimentos a partir da engenharia genética, em consorcio com a mecânica quântica, incluindo de tudo pelas Ciências Integrais.

Lembrando que a sociologia do comportamento humano, precisa acompanhar os aspectos associativos das condições primevas, de suas próprias constituições celulares e moleculares, microbianas, nanônicas e simbióticas.  

Agora! Vou aproveitar estas explicações e responder aos amigos, das redes sociais, que nos formulam perguntas e questionam, mencionando alguns pontos, para eles possam compreender e comparar nossas informações, com outras, que muitas vezes vieram do berço, e sentem a necessidade de confronta-las, para que possam fazer suas escolhas, ao ratificarem (confirmarem) o berço, ou desestruturarem-se, para acompanharem pelo novo paradigma atualizado e fora de mitomanias e informações com a logica racional, pondo fim. As historinhas épicas, de contos das carochinhas, buscando Novos Horizontes, por esses esclarecimentos, sob a luz da análise preliminar, explicadas de forma coloquial, para facilitar a compreensão.

Pergunta: As condições condensantes e multidimensionais, conforme a frequência alta e as vibrações (benevolentes), não poderiam ou já, podem infinitamente serem melhoradas e não mais ser “condensantes”...???

Resposta: Não. Energia e Matéria são exatamente a mesma coisa em estados diferentes, condições da existência, bem como, a matéria prima, que necessita ser maleável e que se impõe por códigos Divinos, de forma flexível, para sua adaptalidade suportar a evolução e a expansão.

Elas não formam criadas para permanência e sim para a impermanência, a partir da unidade suprema atômica (átomos) e suas fragmentações a partir dos bósons, à medida que põe peso, massa ou corpo, ou ainda, se unem como um bloco químico ou metalizado, cristalizado, rochaficado etc.

Sendo a cadeia da vida, uma cadeia retroalimentar, cuja base fundamental, é. De células e moléculas, (alimentos perpetuados ciclicamente), se como hipótese, houvesse uma condição permanente, ou eterna, de células e moléculas almáticas, elas não poderiam ser fragmentadas em partículas, e diluídas pela molécula mãe (água) para, por exemplo: Se transformar no liquida simbiótico amniótico (oligoidrâmnio).

Tanto a vida que se alimenta da morte e a morte como alimento pronto para ser digerido não existiriam, nem pela divisão binaria, e nem pela meiose, ou seja: A condição de vida e morte só se manifesta na condição condensante que é quântica e impermanente. Por isso. Não pode haver vida eterna e nem imortalidade de almas (moléculas).

E é desta maneira que os oceanos, mares, lagos e etc.. São chamados de úteros quânticos.

Onde a luz (fotossíntese) por metáforas ou paródias semiologicamente e simbiologicamente, são chamados de: “Esperma Divino”. Que usa um ser quântico, ou (polinizadores), para fecundação dos princípios femininos e masculinos como parte do “TODO”.

Os equivocados, sem os conhecimentos bioquímicos e físicos, consorciados as disciplinas: “Espiritólogia” e “Cristólogia”, nos acusam de devassos, imorais, pecadores, viciados em sexo etc., e outras tolices e infantilidades, maldosamente ou maledicentemente de forma dolosa, e deturpadoras, nos apontam suas metralhadoras giratórias de ofensas e desrespeito, quando afirmamos. Que o requisito essencial para a vida e sua manutenção é a morte, que como nutriente revitaliza o metabolismo (reações químicas), como (anabolismo e catabolismo) – Mostra-nos, falta de discernimento ao desconhecer sua própria reprodução celular de enzimas almáticas, perspiração insensível, relação sexual, jejuar e excretar, alimentação e integração etc.. Que vem desde os procariontes, que trazem códigos de degradação, após a morte, como nutrientes, que não deixam interromper o fluxo nas células.

Fiz das respostas solicitadas, mais uma matéria para que perca o vinculo pessoal e estejam ao alcance de todos, que possuem duvidas, carentes de um paradigma racional, divino, verdade, cuja base, é fundamental e tem sua sustentabilidade, que é compreendida a partir, dos sistemas de totalidades integradas, de vida, morte e extinção.

Finalizo dizendo ainda, que nossas análises são preliminares, como faz o educador em sala de aula, ao comentar todas as disciplinas curriculares de matérias que não são deles, ou seja, rotuladas de alheias e escolhidas para didaticamente referendar ou consubstanciar suas aulas, honestamente eu pergunto: “Esses Educadores, estão se apropriando de matérias alheias? Esses Educadores em algum momento fizeram menção, ou insinuaram,  que eram deles a sua autoria? Ou eram deles a metodologia? Penso que falta ética, em alguns autores, que na contra mão dos confrontos, colaboram com colocações maravilhosas, mas que perdem o equilíbrio diante de informações, sustentadas pelos fundamentos inquestionáveis de que a vida é celular, molecular e microbiana.

Se desiquilibram viajando na maionese de seus achometros e usam suas metralhadoras giratórias, com balas de maledicências e ofensas, disparando farpas e desrespeito de forma generalizada que alcança a todos que disponibilizam informações, que não estejam compatíveis com seus interesses gananciosos de vender informação, deturpando nossas afirmações, nunca dissemos que existe Ciência Pura ou Pronta.

Isso é elucubração, nossas afirmações sempre foram no sentido de integrar, complementar esclarecer que o que sabemos é uma gota e o que não sabemos é um oceano, adquiro de tudo disponível na Mídia, como livros, revistas, documentários etc.

Leio-os, releio-os, treleio-os e os assisto e se necessário for de novo, volto a reler e assistir tudo de novo, acordando ou discordando, ao verificar as dúvidas e confusões estabelecidas em seus textos, ao se apresentarem,  sob minha ótica como reducionistas, ou incongruentes, pela falta de uma afirmação convincente e de respeito às diferenças.

Eu não tenho o hábito de opinar ou palpitar, em obras finalizadas, ou, dadas como prontas.  Minha conduta ética e moral, não permite isso.

Hoje pelo respeito aos irmãos. Mesmo discordando conflitivamente, jamais, de minha parte deixarei isso evoluir para confrontos.

Mas não me calo, diante do meu espaço invadido, por que respeito os espaços alheios, aonde começam e acabam os nossos direitos.

Leio de tudo que está disponível para compra no mercado brasileiro da Política até as Ciências.

Mas não guardo nada que compro, por falta de espaço físico, se tudo que pude ler no transcurso de meus quase 70 anos, eu fosse arquivando livros e revistas, etc. Eu teria de ter, mais de vinte casas do tamanho da que moro, numa estimativa sem exageros. Eu não consigo viver sem ler, busco sempre novos horizontes, com uma sede de informações que não consigo controlar.

Uso meus proventos de Inativo Civil, para sobreviver com simplicidade e modéstia, o que sobra, emprego livros, revistas de ciências, filosofias e sociologias... etc... etc... bem como, os documentários.

Faço análises preliminares, depois de discutir com os livros mentalmente, aponto o que é pertinente e o que é impertinente, sob o manto do meu entendimento, aonde, eu considero o meu juizo, sempre diferente, nunca admiti um juizo melhor que o meu, apenas diferente do meu e igualitário aos alheios. Sintetizo e trato de deixar, esquecendo propositadamente, o bem material, seja, livro revista CD ou fita, num banco de ônibus, de uma lancha, de um táxi,  enfim, em um logradouros publico, perto do transito de estudantes e mestres.

Assim, me sinto um colaborador, daqueles que gostariam de ler alguma coisa, com comentários e anotações, para facilitar a compreensão. 

Sempre fui assim, nunca tive sensação de perda, o que eu ganho comprando divido e compartilho, com aqueles a quem a minha escolha recair, pelo meu jugo, de que, aquela obra, será bem aproveitada. 

Sei que quanto mais sei, tenho a certeza como Sócrates tinha, e disse isso, em sua época e ficou registrada até hoje, para que possamos como ele, usar suas palavras e também, afirmar. Que nada sei. Ou o que sei muito pouco, aprendo sempre muito, com os poucos, com quem convivo, meus amigos e irmãos espirituais.

Um forte abraço e beijos de luz no seu caminhar. Dilmar Dutra e Marlene