“O ECUMENISMO SÓ IRÁ OCORRER ENTRE OS HUMANOS PELO SISTEMA DE TOTALIDADES INTEGRADAS”.


Imprimir

Postado em 21.09.2013.

Por Dilmar Dutra – Biomédium – Escritor Científico e Espiritual.
Fonte: Diversas Consciências Espirituais, Desencelularizadas que hoje, interagem por cognição com o Biomédium Encelularizado.

.


O Ecumenismo só irá ocorrer entre os humanos, quando todas as diferenças, sejam respeitadas, independentes de nossas escolhas, de nossas tomadas de decisões, de nossas tolerâncias e paciências, com o propósito de cooperatividade proativa.

Dentro do Sistema de Ciências Psíquicas, Físicas, Químicas, Biológicas e Geométricas etc., ou seja, do “Campo de Totalidades Integradas”, aonde existe uma perfeita sintonia com a Espiritualidade Universalista, e com a nossa própria constituição celular e molecular, na qualidade de seres mistos, já codificados inviolavelmente pela “Mente Psique Espírito”, fragmentada em partículas subatômicas e holográficas subjetivas de Consciências, sem peso massa e corpo.

É desse Campo de onde, provêm, todas as informações, que são anteriores as energias e as matérias, inseridas primevamente nas células procarióticas como Matriz Divina, para estabelecer a vida biológica. Indexada pela água, ou seja, as almas em mananciais, ou as moléculas mãe, que trazem um compêndio enorme de úteros quânticos com diversos de genes das memórias, atômicas, subatômicas, genéticas, filogenéticas, de vida em simbiose, de morte para sustentar de maneira inviolável a vida, além de memórias proteicas e de conexão e desconexão e ativação e desativação de genes para todos, contendo informações para sobrevivência, transformação e adaptação, combinando, recombinando em simbiontes universais.

Esses impactos em alta velocidade são capazes de produzir o choque eletromagnético e propiciar o surgimento da malha eletromagnética em endoeletricidades imãticas (imãs de aproximação e creação) no ambiente Planetário que tiver um núcleo de ferro como é o caso da Terra.

E surgem nestas condições favoráveis à vida como um todo, trazendo os genes de memórias nas fontes celulares e moleculares, cuja base de vida é a água, em consórcio com a luz trazendo informação para fixação de proteínas além de polinizar com os códigos memorizados para replicações e reproduções multiplicadoras estabelecendo a cadeia retroalimentar de presas e de predadores, onde, a morte sustenta a vida, num modo continuo de adaptação para sobrevivência perpetualizados em ciclos adaptativos, bem como, de extinção memorizada geneticamente para ativar e desativar os códigos de extinção dependendo das condições anaeróbicas e aeróbicas que alimentam todas as memórias na existência corporificada de vida, captando por cognição, interação e endocelularização simbiótica, com as moléculas diversificadas.

Exemplo: RNA primário, DNA secundário, ATP (adenosina, trifosfato e Proteína)  mTOR e outras mais... etc. (todas diluídas nas moléculas de águas solventes universais, que propiciam uma solução na meiose: denominada líquido amniótico. Ou, na divisão binaria, em mananciais perto de termas vulcânicas conhecidas como santuários, p/surgimento da vida.

Todos os órgãos simbióticos sofrem influência do Campo do meio ambiente que surgiram pela explosão mutilatória/mutatória, da célula na replicação viral da simbiogênese, ou sexo biológico, que faz a célula bacteriana com o vírus que produz um novo ser denominado bacteriófago que chamamos de fagos que são predominantes nas constituições de todos os animais da família universal onde se encontram os humanos, num condomínio simbiótico com fungos, plantas e vírus estabelecendo pela flora fauna uma unidade cooperativista e Ecumênica.

Os órgãos simbióticos chamados cérebros, são caixas pretas, como se fossem um computador genômico, ainda incompreendidas pelos animais de um modo geral e pelos animais humanos, que não podem estar prontos, justamente por sua composição mista, sofrem influências da explosão mutilatória/mutatória da cadeia retroalimentar de presas e predadores da supracitada simbiogênese. E é por essa mutilação original, que quando perdemos um dos sentidos, potencializamos um dos outros, ou todos os demais em funcionamento o efeito colateral nos cérebros se manifestam por uma barreira que impede a aceitação do que não podem ver ou pegar e não aceitam a subjetividade holográfica Espiritual. Buscam explicar a consciência pelo EGO discriminatório e excludente.

Na verdade, precisamos respeitar essas diferenças pela maneira cognitiva que percebem o mundo. Basta desaprender arbitralmente aceitar a célula como a base de vida e compreende-la como unidade básica da vida, estudando-a, observando-a, cultivando-a em observação constante para, entende-la como algo anterior ao cérebro, ou melhor, sua constituição é celular, e que na verdade o construiu em simbiose. Condição que racionalmente nos faz refletir. Como algo anterior ao cérebro pode ser criada por ele. Um absurdo incontestável.

Espero haver facilitado a todos os nossos irmãos, algo que em pleno século XXI, não podemos aceitar mais. É preciso estudar mais a Psicologia Quântica, a Biologia Quântica, a Química Quântica, a Física Quântica, etc. incluindo-as dentro do Sistema de Totalidades Integradas e viver dentro deste contexto. Amando... Respeitando... Colaborando... Incluindo... Mitigando... Em Transdisciplinaridade Quântica e Universalista.

Um afetuoso abraço de luz em todos os sistemas vivos, onde estão incluídos os nossos irmãos humanos para que em especial possam despertar do sonho mirabolante de que somos a imagem e semelhança de “DEUS”. Ou que somos especiais. Sejamos humildes para reconhecer a nossa própria constituição.

Dilmar Dutra e Marlene Chaves.