"O Espírito Único de Poder Eterno e Infinito, cria suas Almas Viventes, para a Vida sustentada pela Morte, e desativada pela Extinção, ou seja, cria A GÊNESE."


Imprimir

Postado em 15.10.2013.

Por Dilmar Dutra – Biomédium e Escritor Científico e Espiritual.

Fonte: Revelação de Consciência que um dia no passado interagiu com uma Consciência Espiritual Humana, que atendeu pelo nome civil de “JESUS CRISTO”, e hoje interage com outro humano cujo nome civil é Dilmar Dutra. O Biomédium em questão.

 

.

Ao criar a “GÊNESE DA VIDA MORTE E EXTINÇÃO”, pelo primeiro e Único “BIG BANG” Singular, Holográfico e Subjetivo. A MENTE PSIQUÊ ESPÍRITO, ocupou na expansão o espaço que antes era do “ETER TAQUIÔNICO”, com suas antipartículas de bóson subjetivos de informações já com códigos de consciências expandidas, que interagem pelo “TODO”:

A decisão manifestada Inteligentemente de se fragmentar em Partículas de Consciências Pensantes, para que as informações pudessem alimentar pela reflexão e digestão, todas as informações expandidas, onde tudo tivesse no “TODO”, memorias subjetivas e holográficas da essência, como fato primário permanente, além de interagir pela codificação como fato secundário, inserida na membrana da célula, em consórcio simbiótico, com os elementos moleculares, além, das unidades de não vidas acelulares, que precisam de células, para sua própria replicação, na Cadeia de Presas e Predadores, onde tudo que fora criado e contido, está dentro de si (Mente Psique Espirito), para que possa de forma inorgânica e orgânica, combinar e recombinar em simbiose, já, na unidade básica da “VIDA QUE É CÉLULAR/E/MOLECULAR”, e que precisa da “MORTE” para existir como “VIDA”, e se replicar ou multiplicar por Divisão Binária ou por Meiose.

Isto porque, o fato secundário inviolável é impermanente por codificação de sinalização e controle, bém como, da chamada apoptose - (que significa ter programação para morrer de forma intrínseca), ou fatalmente, como fato inviolável na existência, estabelecida como código perpetuado em ciclo de VIDA, no ambiente apropriado, ou adaptado, para que a MORTE garanta a  VIDA, ou melhor a sobrevivência, sem a possibilidade permanente de IMORTALIDADE, ou de VIDA ETERNA. A ETERNIDADE NÃO É CONSTITUÍDA DE CÉLULAS OU DE MOLÉCULAS  A PALAVRA VEM DO ETER QUE É ESSÊNCIA PERMANENTE, CÉLULAS E MOLÉCULAS SÃO DA EXISTÊNCIA IMPERMANENTE.

Para garantia de que seja assim. Todas as memorias em graus de consciências, classificadas como subatômicas, Holográficas, subjetivas, sem peso massa e corpo, não só na essência, mais também, na existência, possam seguir os padrões codificados de memorias atômicas já com peso massa e corpo, pela condição morfogenética, que estejam nas unidades básicas da VIDA, que são as células e moléculas, sustentadas pela morte. E que só podem ser desativadas, por outro código chamado de extinção.

Todavia! A interação com os ambientes propícios faz, o fato inviolável e impermanente, manter também, código da “autopoiese”, como sustentabilidade perpetuada no ciclo de vida, morte e extinção, combinando, recombinando em simbiose, com toda Cadeia Almática Vivente, retro alimentar de (autossustentação), em condições de presas e predadores, onde todos comem todos, e todos se alimentar de todos.

E foi a partir das criações de tudo, que o “TODO MENTE PSIQUÊ ESPÍRITO”,  se manifestou por INTERAÇÃO, com suas partículas de “Consciências” extraídas do Campo do ambiente Planetário, para alimentar as corporificações vitais, contidas no meio ambiente morfogenético, abastecidos pelos gases atmosféricos em alternâncias.(HOJE COM A SUPREMACIA DO OXIGÊNIO numa condição aeróbica, que sucedeu a condição anaeróbica em consorcio invertendo as posições de supremacia de um ou outro qualquer gás),  para fixar e registrar memórias, sejam subatômicas, atômicas, filos, filogenéticas, proteicas, genéticas, orgânica, inorgânica, culturais etc., com informações codificadas desde as ebulições, fermentações, perspirações epidermes, e respirações, bem como, com a água principal solvente universal para vida que surgiu neste ambiente Planetário, alem de saciar a vida, assim como, alimenta-la com o que o Planeta produz e cria, além da luz, que propicia a fotossíntese e fixa proteína, nas “branas” - (diminuitivo de membrana, ou pele), conjugando a morte/alimento, como condição inviolável, para sustentar a Vida.

Já a extinção, faz insubsistir por desativação o código de existências das espécies, que desaparecem por ganâncias predatórias, ou por incompatibilidade ambiental, seja por fatores intrínsecos (enfermidades, pandemias, presas incapazes de se reproduzir, pela falta de outras presas, e como predadores, se alimentarem das mesmas presas, ou, se adaptarem as outras presas como alternativa de espécies locais preservando-as, ou seja, preservando suas espécies para a vida. Etc.) ou por fatores extrínsecos, sem uma programação para morrer. Mais que morrem, por fatores externos:

Exemplo de fatores externos: Colisões cósmicas, desintegrações de células e moléculas, ou constituições corporificadas de forma orgânica ou inorgânica. É assim a MORTE é um fator inviolável para manter a VIDA, que depende exclusivamente da MORTE. Ou seja, por MORTE ser um termo (PALAVRA) inviolável MÁXIMA DE AMOR, ELO ENTRE A “VIDa/morTE” a palavra IMORTALIDADE, é horrorosa e incongruente, da mesma forma que VIDA ETERNA, também, é horrorosa e incongruente, sem a MORTE não existe VIDA, e a VIDA é celular e molecular, ou seja, constituídas de células e moléculas, ou ainda, uma simbiose almática.

Almas: sejam elas, unitárias (unicelulares) ou coletivas (multicelulares), são denominações da união simbiótica entre células e moléculas. A DEFINIÇÃO ETERNA não pode ser confundida com IMORTALIDADE que é uma mitomania dogmatizada pelos humanos da mesma forma que VIDA ETERNA PARA O ESPÍRITO. O ESPÍRITO É SINGULAR, SUBJETIVO, HOLOGRÁFICO E ETERNO, NÃO NASCE NÃO VIVE E NÃO MORRE. E NEM VAI PARA A EXTINÇÃO.

“ESPÍRITO-MENTE-PSIQUÊ-CONSCIÊNCIA”. NÃO É CELULAR NEM MOLECULAR. NÃO TEM CORPO, PESO E MASSA.

Observação: Foi “JESUS CRISTO” que definiu para os Cristãos, explicando o que são Almas.  E o que é Espirito. Sem deixar margens de dúvidas.

Vejamos:

Em Vida, no jardim das Oliveiras, “segundo a vulgata de Jerônimo” que deu origem aos Evangelhos Cristãos ao dizer: “Pai minhas Almas estão numa tristeza mortal”.

Comentário: Definiu ali, que suas Almas eram mortais, ou seja, eram constituídas de células e moléculas.

É só estudar o copta e o hebraico e verificar a tradução para o Português: “Minhas Npheshs”, estão numa tristeza mortal, “Nphesh” palavra hebraica, que significa VIDA.

Comentando: VIDA só existe, com células e moléculas. Alguém que estuda Biologia pode contestar, ou, questionar isso?

Mais a frente... Por diversas citações, nos Evangelhos Cristãos. Jerônimo transcreveu a passagem de uma afirmação de “JESUS CRISTO”, que define pregado na CRUZ, o que é o Espírito. Ao pronunciar olhando para o céu. “Pai a ti, entrego o MEU ESPIRITO”.

Pelo evangelho Gnóstico de Madalena de Bethânia, irmã de Marta e de Lazaro. -  “Madalena afirma a Thomé”. Que JESUS CRISTO, entregava ao PAI sua CONSCIÊNCIA, ou a CONSCIÊNCIA CRÍSTICA E CÓSMICA.

E tudo isso, ocorre como fator inviolável, após ocorrências sucessivas, a cada: Big Bang(s) da Existência Quântica, que estabelece os chamados “Multiversos Quânticos”, contidos no “Metaverso Taquiônico”, que por sua vez, está contido na “MENTE PSIQUE ESPÍRITO”, ou na “Divindade Única” que recebe dos humanos, muitas denominações, por suas escolhas e dogmas, o nome DEUS É (sigla) que define melhor pelo idioma Português/Brasil a tradução do CRIADOR. SISTEMA “DEUS”, pela proximidade verbal do Naacal com o idioma Português, pela riqueza pronominal e verbal, que propicia uma fidelidade maior, como disse: Para a tradução, e que se pode mostrar pelas letras, que compõe a sigla na horizontal, cujo significado é de: “Divino Espírito Único Singular”. E na Vertical, cada letra da sigla, significa para um melhor entendimento em Português/Brasil. O seguinte: O “D”: Diversidades, o “E”: Espécies, o “U”: unicelularidade e o “S”: Simbiose. A referência na tradução, pode inclusive facilitar o entendimento em outros idiomas a medida que surja uma adaptação universal como todos os idiomas sofreram influências linguísticas e podem pela universalização adotarem  a mesma compreensão como foi num passado longínquo há mais de 10.000 anos atrás.

As células como unidades básicas da vida, já vem sendo observadas na contemporaneidade Europeia, desde 1812, bém como, nomes como, do Alemão, Anatomista e Historiologista: Friendrich Gustav Jacob Henle, do Parasitologista Francês Casimir Joseph Devaine, que cultivou micro células, em lamina de laboratório, que eram chamadas de bacillus de longos filamentos, foi ele, quem teve os créditos das descobertas de novos corpos ovais translúcidos de princípios opostos chamados de esporos. Do Alemão bacteriologista  Robert Koch que deu continuidade aos trabalhos de Casimir. Daí em diante, a Física a Química e a Biologia, não puderam mais, ser estudadas em separado, sob a minha ótica. E saltos e saltos quânticos ocorreram nestas ciências sob a noção de Sistemas de totalidades Integradas, até chegar a maior Bióloga do Mundo Contemporâneo, Dra. Lynn Margulis, (em memoria), para mim, a maior referência em Biologia do Planeta, sem desmerecer os outros em idênticas condições, Os chilenos Humberto Maturana e Francisco Varela: O Pesquisador e Ambientalista independente “como eu”, do Reino Unido: James Lovelook; Os Americanos Carl Woise, Sterien Jay Gould, o Alemão Ernst Mayr; E o Americano: Escritor Científico, “como eu”. Refiro-me a Dorion Sagan, filho de Lynn Margulis. E muitos outros, a quem peço que me desculpem por não cita-los, considerem-se citados. 

Mais em homenagem aos irmãos brasileiros vou citar meu parceiro de Estudos> Professor José Eduardo Antônio de Mattos. Site www.joseeduardomattos.com.br Em nossos sites todos poderão encontrar daqui a dois dias, mais informações que podem fazê-los entender através das mensagens minudenciadas com comentários que facilitam a compreensão.

Um afetuoso abraço e beijos de luz nos corações e cérebros simbióticos locais nas corporificações iluminadas pela Mente Psiquê Espirito, fragmentado em partículas de consciências que interagem com todos os sistemas vivos.

Dilmar Dutra e Marlene Chaves.