“O VERDADEIRO SENTIDO DO AMOR”


Imprimir

Postado em 12.12.2013.

Por Dilmar Dutra – Biomédium escritor científico e espiritual – um facilitador e pacificador a serviço da humanidade.

Fonte: Consciências espirituais descorporificadas em comunicação com consciências corporificadas espirituais desprendidas como parte do “Todo Uno”. Eu sou aquele que é antes de tudo existir. “DEUS” Divino Espírito Único Singular.



Revela:
O Verdadeiro sentido Amor. 

Ou o Amor verdadeiro, sem mitos humanos, sem emoções polares de memórias atômicas, morfogenéticas e biológicas.

O amor verdadeiro não tem polaridades, é neutro, não separa, é uno, não discrimina, não é produzido por órgão nenhum simbiótico corporal.

O amor verdadeiro é um “Campo do TODO” assim como, parte desprendida do “EU SOU” “ESPIRITO ÚNICO” (Singular de Ordem Universal), ou fragmento do “TODO”.

O AMOR VERDADEIRO é uma definição de justiça e perfeição subjetiva. 

Não é influencia afetiva de atração emocional. De deflagração fisiológica, isso é produzido por descargas bioquímicas de peptídeos, polipeptídios, neuropeptídios, disparados por uma dessas células de ressonâncias de polos positivos ou negativos, isso não é Amor, isso é atração de células espelhos, que potencializam fluxos de transformações da energia luminal em energia química, para atrair com desejo, isso não significa eternidade, significa descarga impermanente, produzida quando envolve animais com cérebros, com neurônios espelhos, sobrecarregando o córtex no lobo parietal inferior e dura um período determinado, dependendo de organismos para organismos onde existam diferenças de curtos ou longos prazos, não se pode precisar o tempo.
Se a carga for intensa, uma espécie de curto circuito bioquímico desliga o encantamento, e a conexão é rompida e a indiferença e a intolerância. É potencializada. 
Isso não é AMOR.

O verdadeiro AMOR está inserido na Consciência Espiritual, como “Código de Memoria e Informação”, como: “Lealdade, Abnegação e Respeito”, pelo “LAR”. Da unidade “EU SOU”.

Que interage com a vida corporal como “Consciência Espiritual”, um fragmento desprendido do “TODO” que os humanos rotularam de “ESPÍRITO” e que sempre volta ao “LAR” pela MORTE que alimenta a VIDA e é o caminho de retorno da “Consciência Espiritual” ao “TODO”.

E é esse AMOR, que faz as células e moléculas viverem em simbiose.

Todo o resto é mitologia. É mitomania. São dogmas. São ilusões Mirabolantes de Animais com Cérebros.

Após esta revelação e a compreendendo. 

Quero fazer a minha parte, reconhecendo de público, o ato de AMOR que RECEBI e nunca fora percebido por mim como tal, pelo CRIADOR ÚNICO “DEUS” pela minha constituição celular/molecular, pela meiose entre meus progenitores, pela vida que VIVO, pelo alimento e pela MORTE que ELA representa, por tudo que tive e conquistei, pelas companheiras que tive e tenho ainda hoje, pelos lares que me hospedaram, pelos filhos e enteados e seus pares que tenho, pelos amigos que fiz, pelas nossas famílias, pelo trabalho, pelas Fontes Pagadoras, pelos momentos Felizes e os momentos de dificuldades que me ensinaram alguma coisa.
Pelos Profissionais que precisei recorrer das áreas de Saúde e outras. Enfim. Por todos com quem convivi em loco, que me prestaram um serviço, que me ajudaram a fazer, ou construir alguma coisa, que curtiram nossas matérias ou as comentaram de tudo a nossos respeito e feitos. 
A Todos declaro de Público o MEU RECONHECIMENTO E A MINHA GRATIDÃO. Muito Obrigado de Coração aberto e cheio de gratidão a todos Vocês 
Como parte desprendida do TODO, faço como “JESUS CRISTO” nos ensinou por uma LOGIA TAMBÉM: 
Agradeço pedindo:
“PAI! DE A TODOS ESSES A QUEM EU DEVA ESSAS OBRIGAÇÕES. O MELHOR QUE A VIDA POSSA DAR A ALGUÉM”.

ESSES SÃO OS NOSSOS MELHORES DESEJOS INTUÍDOS PELAS NOSSAS CONSCIÊNCIAS DE AMOR.

Um beijo de luz nos corações e demais órgãos simbióticos e corporificados.
Dilmar Dutra e Marlene Chaves.