“A Importância da Genética e sua
Interação com o Meio Ambiente”

Imprimir

Postado em 15.11.2011.

Autor da matéria: A consciência espiritual que interagiu com o ser humano almático e atendeu em vida pelo nome civil de Marietta Dutra que transitoriamente esteve mãe do ser humano Dilmar Dutra, Biomédium autodidata em Ciências Integrais em Perfeita Sintonia com a Espiritualidade Ecumênica e Universalista na condição de escritor científico e espiritual. Que recebeu a seguinte revelação:

Vamos começar explicando o significado da palavra “Epigenética”. Esta denominação pela visão Médica refere-se ao processo de geração em que o embrião é constituído por uma série de formações novas ou diferenciações sucessivas do ovo. Entendo eu que é uma visão muito reducionista. Na verdade eu vejo a “Epigenética” como um Campo da Biologia que busca desvendar os mistérios de como o ambiente (Natureza) pode influenciar o comportamento das células sem modificar o código genético. Não só para explicar a condição de vida de humanos. Todavia nossa compreensão tem um alcance maior na busca pela verdade cientifica e temos a certeza absoluta, que esta visão é engessada e discriminadora. Humanos são apenas mais uma espécie da Diversidade Planetária. A Explicação que vamos dar tem uma amplitude, onde todos os sistemas vivos, celulares moleculares tem um mesmo ancestral comum procariótico, daí o processo se aplica a todos os seres vivos.

Tudo em Biologia tem a Química numa interação com todas as células, na formação embrionária da Vida como um Todo. E o Meio Ambiente Morfogenético têm total influência na sua formação; transformação e adaptação. Um gene pode se transformar em quaisquer tecidos e a observação e acompanhamento pelos estudos mostra que, por exemplo: Um embrião humano e demais seres vivos da família animália ao crescer, vai desempenhando funções específicas e próprias a sua espécie da Diversidade como condição molecular e celular, sempre induzidas pela Mente não local, ou seja, fora do corpo e sem uma localização exata no Meio Ambiente apropriado para Cadeia Almática Alimentar de presas e predadores, por um sinal dirigido desse Campo Morfogenético Mental, que por cognição capta e transmite informações para sua progênie que vai construindo um corpo vital simbiótico molecular-celular pela modificação química dos cromossomos das células-tronco e vai alterando a disposição dos genes, conduzindo suas ativações e desativações de forma reversível, totalmente dependente do meio ambiente local, que vai influenciando e adaptando a espécie e sua complexidade programada pelo “EU MENTE PSIQUE ESPÍRITO”, cujo código, proporciona todas as mudanças e transformações necessárias na construção e formação da estrutura apropriada simbioticamente para as células que vão sendo orientadas pela já citada MENTE não local, que vai interagindo na forma de ebulição, fermentação e respiração numa espécie de habitação e desabituação de forma alimentar fagucitando e excretando como atividade de vida das células e de seus genes de modo adaptativo para formação e construção, estabelecendo uma diferença onde as partículas selecionadas arbitralmente do meio ambiente local, possa ser usada com sua compatibilidade ou ser substituída por uma substância compatível de acordo com a disponibilidade inorgânica e orgânica, mantendo apenas as necessárias num estado de muita atividade de trabalho inteligente e dirigida pela MENTE, já citada varias vezes,, num processo de indução disciplinar perfeito de adaptações constantes dos genes ativados.

Já os genes desativados descansam e conservam a capacidade de produção e trabalho em estado latente, esperando uma possível ativação pelo comando da Mente não local para criarem as proteínas na qualidade de RNA e as codificarem de formas ativas ou reativas diante da captação nutricional da Cadeia Almática Alimentar de Presas e Predadores com escolha arbitral, para captar os componentes químicos disponíveis no meio ambiente local.

Essa atividade Bioquímica ocorre numa mesoescala, onde as interações com partículas maiores podem agrupar ou reagrupar moléculas maiores e formatar a cromatina que é uma composição de DNAs com as proteínas produzidas pelo RNA dando-lhes forma de cromossomos com uma estrutura hierárquica com dupla hélice enrolada em torno de partículas cilíndricas formadas por proteínas denominadas histonas estabelecidas por fileiras de estruturas mais complexas, onde as próprias células moleculares simbióticas, exercem total controle ativando e desativando o gene necessário para acrear por interação como cromatina e enzimas especializadas modelando e remodelando a estrutura de cromatina.

As células-tronco embrionárias de humanos; estão sendo estudas minuciosamente por muitos Geneticistas, Biologistas, Patologistas e Profissionais do ramo em muitos Países. Vamos citar um exemplo para aqueles interessados em pesquisas: O Patologista Dr. Bradlex Bernstein, do Hospital Geral de Massachusetts. É ele um dos que, com certeza. Poderá trazer mais luz a estes estudos, pois sua competência e contribuição nesse campo. É sem duvidas. Muito importante para desvendar mais mistérios que ainda estão ocultos para que possamos compreender melhor a formação da vida.

Um forte abraço e beijos nos corações.

Dilmar Dutra e Marlene Daltro, parceiros nos estudos livres e sócios no site www.dilmardutra.com.br