“A MENTE PELA PSICONEUROBIOLOGIA”

Imprimir

Postada em 25.10.2011

Autor: Imhotep, conhecido pelos Gregos como Hermes Trismegisto que significa em Grego “O Três Vezes Grande” recebeu também nomes como “Esculápio ou Asplégios”

Por Dilmar Dutra – Biomédium que está autodidata em ciências integrais em Perfeita Sintonia com a Espiritualidade Ecumênica e Universalista, escritor científico e espiritual.

Segundo Imhotep, a mente é um campo taquiônico de informação e inteligência que chamou de “EU MENTE PSIQUE ESPÍRITO” gerador de consciências medidas por grau, para cada uma das espécies da diversidade planetária e definiu como um GRANDE PENSAMENTO que chamou de O TODO ou O CRIADOR DE TODAS AS COISAS, ou ainda O GRANDE ESPIRITO CRIADOR que interage com toda criação almática revestida de membrana para nascer, viver e morrer. Nascer para viver e se alimentar da morte e morrer para perpetuar o alimento, formando assim uma cadeia transitória almática de presas e predadores.

Imhotep afirmou que a cadeia eterna da criação, se nutre em manifestação imaterial, que chamou de “informação” que não nasce não vive, e não morre. A informação nova irá subsistir a informação velha, de um modo continuo pela eternidade infinita. Esta é a diferença entre a Cadeia Eterna Espiritual Taquiônica e a Cadeia Intaquiônica Transitória de Almas e Almas-Grupo, chamada também de Cadeia Quântica ou de Cadeia de “Almas Quânticas”, totalmente dependente do meio ambiente, ou ainda, do Campo Morfogenético Planetário de onde saem todos os elementos nutricionais propícios a manutenção da vida. O alimento nutricional das consciências imateriais ou abstrações espirituais é a informação nova que irá atualizar a informação velha, que na expansão e jugo arbitral excretará a informação desatualizada, nutrindo-se da informação atualizada.

Veja, o alimento nutricional onde as semiconsciencias interagem com os animais sem cérebros, que respondem por mais ¾ de todos os sistemas vivos, manifesta-se por gases atmosféricos anaeróbicos, onde o oxigênio está em minoria - podemos chamar de semiconsciencias evolutivas. Já nos gases atmosféricos com supremacia do oxigênio ou sistema aeróbico, existe uma consciência evolutiva e expansionista. Foi neste sistema de consciência evolutiva e expansionista que o órgão chamado cérebro surgiu nos animais “não humanos” e “humanos”, e é totalmente dependente do oxigênio em supremacia, como produto de microorganismos transitórios e mortais. O cérebro é um órgão local e não pode produzir a Mente não local, da mesma forma, que não pode produzir semiconsciências evolutivas e muito menos as consciências expansionistas do sistema imaterial que não vive, não morre e não vai para a extinção.

A CONSCIÊNCIA é anterior ao CÉREBRO e a MENTE PSIQUE ESPÍRITO é anterior aos dois. Não foi o cérebro quem criou a consciência e muito menos a mente. Foi o EU MENTE PSIQUE ESPÍRITO que os criou e os alimenta. O cérebro não pode viver sem o oxigênio em supremacia, misturado a outros gases. As Consciências existem na eternidade e se manifestam numa relação “Mente Corpo” e o cérebro é uma parte do corpo, portanto incluído nele. Já o oxigênio leva aos corpos a informação, com a qual se nutrem, com uma ajuda dirigida na interação pela respiração, como elo, numa relação “Mente, Consciência e Corpo” totalmente dependente do meio ambiente, sem uma localização exata, mas que interage com os corpos numa exatidão local via respiração.

Um forte abraço e beijos no coração.

Por Dilmar Dutra e Marlene Daltro, parceiros nos estudos livres e sócios no site www.dilmardutra.com.br