“CIÊNCIAS INTEGRAIS”


Imprimir

 

Postado em 16.08.2012.

Por: Dilmar Dutra, Biomédium Autodidata em Ciências Integrais e em Espiritualidade Ecumênica, Universalista e Holística. Escritor Espiritual e Cientifico um Facilitador e Complementador a Serviço da Vida.

Tenho recebido de vários amigos, perguntas e questionamentos sobre como eu explicaria e definiria os mecanismos internos e externos do conhecimento que muitos definem como o Corpo Sofisticado da Ciência?

Eu jamais definiria as Ciências como Corpo, seja ou não sofisticado, para mim, as Ciências fazem parte de um Sistema de Totalidades Integradas, onde suas especificidades se integram pela geometria Sagrada, ou pelo “TODO”. A visão de dividi-las em extremidades locais e não locais, ou seja, interna e externa, é multo reducionista, e está contida numa visão que foca apenas um fragmento do holograma holístico e que precisa ser complementado pelas demais peças deste quebra cabeça e que nunca estará fora da Natureza que é manifestada pelo Campo de Influência Taquiônico, que contem os Campos Quânticos, que por sua vez, contem os Campos que vão dos maiores para os menores, ou seja aos “Campos Nanônicos” que interagem com os fragmentos denominados de corpos, fornecendo-os informações que as consciências por graus, imaginam idealiza-las, digeri-las, processa-las e executa-las, atuando de forma fragmentada com uma percepção interdependentemente, que na realidade não visualiza as interações consorciadas e tidas como complexas e sofisticadas, diante da condição de sombra, escuridão que podemos definir como ausência de luz, pelo seu aspecto elementar minúsculo e morfogenéticos de torções físicobioquimico e geométricos, ou seja, um Sistema de totalidades integradas contido no “TODO TAQUIÔNICO” que diante da necessidade de expansão promove os Bigs Bang que fragmenta o sistema e não permite a visão de Ciências Integrais e possibilita apenas, a visão do fragmento, que faz parte da condição holística, onde só seja permitido visualizar o espaço quântico da matéria (energia condensada), impedindo-o de ver a matéria radiante. E isto é uma manifestação de todos os sistemas vivos, que não têm a consciência de si próprio e não percebem a importância dos sentidos, principalmente os humanos cheios de dogmas, de mitomanias, que os cegam, diante de novas informações como parte dos conhecimentos engessados e consagrados com sentenças mirabolantes de condenações, que inclusive são petrificadas em textos literários humanos, interpretados em cima da letra que mata e que podem estar inseridos, a partir do berço, em condições sociais consagradas e conservadoras. Diante destas questões, podemos afirmar que quaisquer explicações se tornam um exercício inútil, quando o outro decidiu não entender usando em si próprio a autocondenação da possibilidade de expandir o conhecimento pela (tomada de decisão e “escolha arbitral”).

Eu pessoalmente, respeito esta e outras decisões, porque as vejo como diferenças conservadoras, ou de tradições sociais, ou ainda de crença, ou de fé.

Minhas colocações podem estabelecer conflitos. Mas nunca as deixarei evoluir para os confrontos, porque as faço usando apenas de complementabilidade para atualizá-las. Tenho consciência de que tudo que é vivo vem do não vivo, vem das proteínas manifestadas em células, que interagem com a Geometria Sagrada, recebendo ondas de informações superluminais das consciências inter-relacionadas que caracterizam todas as unidades diversificadas, que são uma “Síntese Espiritual” de realidade absoluta e o Corpo é a própria ilusão transitória da base celular e proteica, estabelecida pela condição quântica que manifesta a matéria fragmentada. “TODOS SOMOS UM” e estamos contidos no sistema “DEUS” O maior de todos os Cientistas. Trabalhamos com as Ciências Integrais em perfeita sintonia com a Espiritualidade Ecumênica, Universalista e Holística. Reafirmamos que não temos todas as respostas, mesmo porque o que sabemos é uma gota e o que não sabemos é um oceano.

Um forte abraço e beijos de Luz nos corações iluminados pela Mente Psique Espírito geradora de consciências por grau para cada espécie da Diversidade Planetária.

Dilmar Dutra e Marlene Chaves Daltro Santos, minha amada companheira, hoje meus olhos e minhas mãos, respondemos com o que sabemos por que não temos compromissos com os erros.