"CONCEITO CONSCIENCIAL DOS SERES INTELIGENTES”


Imprimir 

Postado em 20.10.2011

São Lourenço M.G Brasil

Autor: Consciência de Jesus Cristo, que do “Campo Eu Mente Psique Espírito” interagiu com a consciência manifestada no corpo almático rotulado com o nome civil de Dilmar Dutra, que está Biomédium autodidata em ciências integrais em perfeita sintonia com a espiritualidade universalista e ecumênica, no exercício espontâneo e arbitral investido na condição de escritor mediúnico revelando mensagens espirituais e cientificas.

Campos morfogenéticos, que interagem com todos os sistemas vivos, ou unidades atômicas, enfaixados ou revestidos por membranas filogenéticas, celulares e moleculares, possuidoras de semiconsciências e consciências imateriais, criadas e dirigidas do meio ambiente apropriados, como vidas almáticas, constituídas de “corpos físicos”, totalmente dirigidos e ou induzidos, por processos espirituais, ou abstrações espirituais cognitivas, com o mentor Jesus Cristo, que em Consciência estabeleceu um diálogo com o médium, que por sua vez, envolveu seu parceiro José Eduardo, via telefone, participou também a Dra. Lidia Lyra. Via corpo presente, consorciado com a abstração espiritual do médium, numa conversa cordial, onde muitos assuntos foram abordados em questões de crenças, com algumas diferenças, mais que foram respeitadas entre todas as partes nas defesas de suas compreensões e de suas teorias, também, frutos de estudos sistematizados com conceitos arbitrais distintos, e com conceitos livres e universais. A Dra. Lídia Lyra colocou que não estava entendendo esse novo paradigma, solicitando um tempo para digerir esta proposta, na qual, nunca havia pensado e que não estava aceitando o fato de não haver uma encarnação ou reencarnação, coisa que lhe parecia absurda.

No transcurso do tempo que durou a conversa, o médium pediu a Jesus um jargão, que estabelecesse um consenso, onde os três pudessem expor suas teorias, crenças e conceitos arbitrais, na busca da libertação. Onde todos pudessem estabelecer um diálogo, buscando uma imparcialidade e neutralidade que catequeses e doutrinas não alterassem o novo paradigma revelado.

Jesus no exercício e uso da materialização das palavras se pronunciou de modo que o sensitivo pudesse reproduzir fidedignamente o verbo.

Nesta comunicação a preocupação do médium sensitivo era que Jesus, pudesse ajudá-lo a ajudar fazendo-se compreender de um modo muito simples.

Ao dizer: “os chamados tesouros textuais trazem nos seus bojos (bulas) uma herança de terminologias equivocadas, muitas vezes pseudas e consagradas por traduções de idiomas para idiomas, que se superados por um consenso, podem conseguir um espaço no tempo neutro. Onde novos paradigmas, sejam racionalmente compreendidos e digeridos.”

Jesus sugeriu como ponto de partida estabelecer que a morte é um alimento pronto para ser digerido e base da cadeia almática retroalimentar, da corrida multidimensional de esconde, esconde, entre presas e predadores.

A morte se perpetua como alimento transitório e hereditário começa nascendo depois vivendo e depois morrendo.

No sistema almático retroalimentar constituído de corpo revestido ou enfaixado de membrana, o alimento é criado e cultivado; é colhido ou produzido; é caçado ou pescado; é industrializado, sob manifestação dos sistemas vivos dirigidos pela mente não local (fora do corpo), sempre de modo arbitral na presença da fome e da sede.

A partir da manifestação mediúnica, Jesus exercita e propõe um novo paradigma, ao adentrarmos pela Nova Era, onde possamos entender a consciência como se fosse “espírito” sem incorporação, encarnação e reencarnação.

“Em verdade em verdade vos digo: existe apenas uma interação num movimento de entrar e sair, como a respiração, que leva o alimento imaterial chamado de informação, que não nasce não vive e não morre. É eterno, infinito e expansionista.” A memória imaterial excede ao tempo de vida e de morte, podendo se manifestar em interações com novos corpos.”

Gases atmosféricos proporcionam essa realidade manifestada em semiconsciências evolutivas e em consciências expansionistas quando na presença do oxigênio em supremacia. A vida é uma explosão e morte uma implosão. Vejam a morte como alimento base da cadeia multidimensional de presas e predadores. Vejam a incorporação, encarnação e reencarnação como involução ou implosão que libera o raio gama, para quebrar e partir todas as moléculas.

A cadeia almática transitória retroalimentar constituída de presas e predadores, onde todos se alimentam de todos diante da possibilidade da imortalidade das almas, ela também, implodiria e explodiria. O exemplo de uma explosão implosiva que se manifesta em um buraco negro, e engole toda matéria expelida de volta, numa ação ainda misteriosa para os humanos. Uma matéria que é formada por alguns tipos de partículas elementares que se diferenciam em uma dezena de nuances. Sob a visão quântica, no interior da matéria se constataria que cada partícula corresponde a uma antipartícula, de modo que, a colisão de ambas conduz e produz a neutralidade ou a aniquilação (ordem, equilíbrio e harmonia), poderíamos afirmar ser a interação forte, que faz interagir os quarks e os glúons, que são assoados ao seio dos prótons, dos nêutrons ou de outras partículas, de maneira indireta sob a forma de força nuclear, que por sua vez se associa aos prótons, e aos nêutrons para formar os núcleos atômicos. Tudo passa pela interação eletromagnética, pelas interações traçadas e oriundas do processo de “Higgs” ou “Campo de Higgs” (taquiônico e Akáshico que põe massa em tudo, ao interagir com os quarks e os leptões, e que confere uma massa a estes.

Hoje já se sabe que os neutrinos eletrônicos, invônicos e taquiônicos, trocam de identidade sem parar. Esses neutrinos, ainda são um mistério e estão longe de revelar todos os seus segredos, pelas grandes variedades de sólidos platônicos ou geométricos; suas propriedades são ainda inimagináveis se consideradas partículas elementares para por massa em tudo e criar a matéria.

A informação da física da matéria chamada quântica torna-se necessária para estabelecer a imagem consciencial, que só é percebida por interação, por abstração espiritual, pelos estudos livres, sem a sistêmica engessada como disciplina curricular.

O exemplo da interação física não é diferente da interação química, nem da interação biológica, e para chegar-se a cadeia alimentar de nascimento, vida, morte e extinção, passa-se também, pelas manifestações almáticas capazes de adquirir conhecimento quando o quântico alcança e interage com o Taquiônico. Com isso, suas postulações (afirma Jesus) para classificar nossa vivencias tem exatamente o mesmo valor que as suas rotulações, e não irão impedir as manifestações dirigidas e construídas pelo sistema “DEUS”, Divino Espírito Único Supremo criador da vida perpetuada na morte transitória como o alimento para nutrir os Universos Macros, Micros e “Nanônicos”.

Imortalidade de almas no singular e de almas grupo no plural seria o fim da vida, ou uma involução. Como involução é uma terminologia que o Criador não conhece, pois seus objetivos são expandir e ocupar espaços para que as semi-consciências e consciências conheçam o poder absoluto da criação. Pela crença e pela fé percebida pelo Profeta Maomé, que assim se manifestou numa reflexão verbal, -“Se a montanha não vier a Maomé. Maomé vai à montanha”. Síntese: Pelo livre-arbítrio. Em verdade em verdade vos digo: “a Consciência Crística do Amor por si mesmo, manifesta-se na fé, que é sua força interior, mas que para funcionar como uma ação que provocará uma reação precisa ser criada dentro de si mesmo e manifestar-se em doação para expandir-se numa reação em cadeia. Se o amor não vier a Maomé pela Natureza, Maomé vai buscar o amor dentro de si mesmo, porque Maomé é parte da Natureza.

Em relação à terminologia “ressuscitar” entenda-se não haver incongruência quando usada para definir longevidade e impedir o aspecto alimentar denominado morte, ou seja, em verdade em verdade vos digo, “ressuscitação” é um processo clinico não radical, diante da percepção da não falência total dos órgãos vitais. Processo corriqueiro nas Emergências Hospitalares de Saúde. Um processo que pode fazer o paciente ter uma longevidade estendida.

Todas as terminologias da Teoria do CAOS cujo processo de aleatoriedade vida é dirigida e representa na ORDEM, a disciplina, o equilíbrio e a harmonia. Em verdade em verdade vos digo, Tesouros textuais engessam e petrificam em cima da letra que mata.

Observem a colocação “MATA” num parâmetro específico. O estudo sistêmico mostra o conhecimento estagnado e conservador na contramão da evolução, portanto, entenda-se como involução. Não são diferentes das terminologias incorporação, encarnação e reencarnação, que são inconsistentes pelos exemplos da física quântica, onde um campo não poderia ser abrigado num corpo porque se transformaria num buraco negro.

A informação é imaterial, é eterna, é infinita e alimenta as consciências que não nascem não vivem e não morrem. São imateriais ou taquiônicas e se propagam e se expandem. As ciências integrais são Divinas, porque DEUS as criou e ele é o maior de todos os Cientistas. O espirito é considerado um campo de informação e inteligência que chamamos de “EU MENTE PSIQUE, ESPÍRITO” gerador de consciência que existia, existe e existirá na eternidade infinita. O Criador que ao interagir com os corpos os transformam em có-criadores.

Na cadeia cognitiva, considerar a informação como alimento imaterial da consciência que só pode ser medida por grau, em cada espécie da diversidade Planetária, entre todas as unidades atômicas moleculares e celulares, bem como, entre inorgânicos e orgânicos, onde todos os sistemas vivos possuem a mesma matriz procariótica. Diferente do alimento que nasce, vive e morre. Pois, a informação é um alimento imaterial eterno não se pode ver pegar ou tocar, pode-se apenas sentir. Ilumina o desconhecido devido à sua velocidade ser 27 vezes maior que a velocidade da luz, porque a informação está na velocidade da expansão e estará sempre 27 vezes na frente da luz, da mesma forma que a velocidade do pensamento.

Vejam, uma informação faz com que a luz conduza o foco na direção de outra informação. A informação não nasce, não vive, não morre, não se transforma, não se adapta, e não insubsiste (se extingue). Ela é eterna e infinita e conduz a expansão como projeto explosivo com os deslocamentos das substâncias cósmicas.

O “EU” de cada um está num código de sentimento único equilibrado e harmonizado de “Energia Taquiônica”. A única força que transcende do Taquiônico para o Quântico sem implodi-lo ou explodi-lo, porque é neutro, imparcial e totalizador é o AMOR. “Uno” porque o Amor, além de único, interage com todas as criações, com todos os sistemas vivos. Por isso, todos somos Unos (um) e somos capazes de projetar e executar, expandir e criar, ou seja, somos também co-criadores.

A fé é uma terapia cósmica, o antidoto para todos os males quando praticada com amor por si mesmo e motivada por escolha arbitral.

Beijos nos corações iluminados

Jesus Cristo.

Relatos do Médium Dilmar Dutra e Marlene Chaves, Parceiros nos estudos livres e sócios no site www.dilmardutra.com.br