“CONFERÊNCIAS CLIMÁTICAS DEIXAM A DESEJAR"


Imprimir 

Aracaju - Sergipe em 22.01.2012.


Por: Dilmar Dutra - Biomédium - Autodidata em Ciências Integrais em perfeita sintonia com a Espiritualidade Ecumênica, Universalista e Holística - Escritor Científico e Espiritual.


Fonte: Diversas Consciências Espirituais em comunicações.


Temos acompanhado as notícias das conferências climáticas com muitas preocupações, porque os assuntos em discussão são tratados isoladamente e isto os torna reducionistas e sempre sem os resultados esperados. É preciso ampliar e integrar expandindo as questões discutidas para um Campo Integral, ou seja, "Akáshico". E não apenas abordar gases atmosféricos e acidificação dos oceanos. Incluir Agricultura, preservação, regeneração, bem como, todas as criações de forma autossustentável, respeitando-se todas as Espécies da Diversidade Planetária de forma Universalista e Holística, porque a própria constituição humana é celular e molecular, e o meio ambiente, precisa estar apropriado à vida como um todo.


Penso que buscar formula de manter o oxigênio nos padrões vitais do consorcio anaeróbico e aeróbico, com supremacia do oxigênio sem excessos e sem carências, onde a carência de oxigênio comprometeria a vida principalmente das espécies com cérebros e não evitaria a extinção desses sistemas aeróbicos. E onde o excesso do oxigênio provocaria uma terrível explosão e comprometeria uma extinção em massa desses sistemas anaeróbicos e aeróbicos. Da mesma forma, penso que incluir a agricultura e as criações da Cadeia Almática Retroalimentar é de fundamental importância, para dar continuidade à vida como conhecemos hoje. E não tratar à raça humana, como se fosse especial e discriminando e desrespeitando, as demais espécies. É preciso compreender também, que todos os seres vivos são celulares e moleculares e que todos nós, temos uma matriz procariótica dentro de nós. Somos seres mistos e somos proles, dessas células bacterianas, nossa constituição é de aproximadamente 10 vezes 100 trilhões de células que se renovam, nascendo e morrendo dentro de nós.


Penso que buscar formula nos padrões de vida aeróbica, passa também, por adaptar as lavouras agrícolas de forma perene para aumentar as mudanças climáticas e para manter a condição ideal para os sistemas vitais consorciados. Isto porque, entendemos que a vegetação perene, pode proporcionar a alternativa do meio ambiente apropriado a preservação da vida e com isso amenizar as mudanças climáticas e restaurar a curto e longo prazo esse meio ambiente apropriado, para isso é preciso criar uma versão perene de replantio anual, principalmente nos solos pobres. Hoje já dispomos de tecnologia genética que em condições perenes podem reverter o Plantio convencional de alimentos, num consórcio microbiano celular molecular, inorgânico e orgânico, para ajudar o solo de mineral crítico como o fosforo que não necessitam de muita agua, requerendo também, menos fertilizantes. Vejam solos plantados com culturas perenes não precisam de aragens, transformando-se num sorvedouro de carbono.


Nossos oceanos, mares, lagos e rios etc. podem receber microrganismos mutatórios e adaptativos que podem se nutrir de Petróleo e derivados, bem como, de agentes tóxicos e nocivos a sobrevivência da biodiversidade marinha.


Entendemos ser preciso em caráter UGENTE, URGENTÍSSIMO, acelerar o desenvolvimento de culturas perenes usando técnicas avançadas de genotipagem. Investir mais, muito mais em pesquisas e estudos dos genomas de vegetais de forma Global, com caracteres necessários para produzir uma cepa perene, onde as raízes sequestrem mais carbono por metro cúbico desse material perigoso para o sistema aeróbico Planetário.


Confesso que estas questões vem me preocupando tanto, que vem me tirando o sono porque antevejo vislumbrando um futuro negro para a humanidade que penso estar no topo da Cadeia Almática de presas e predadores para uma possível extinção da espécie, devido principalmente as mitomanias aos fanatismos e a ganância desmedida que não se reconhece como parte integrante do Planeta, ou seja, que toda sua constituição advém desse Orbe, que é microbiano e que sem esses micróbios, não poderíamos existir. O respeito às diferenças pode representar no futuro a permanência dos Seres Humanos neste Planeta. Vejo nas MENTES RESILIENTES, a grande esperança, face estarem muito acima de sistemas religatórios, vivendo de forma integral, ecumênica e holística, com uma consciência Crística e Cósmica que preconiza que, Todos somos um pelo AMOR.


Um forte abraço e beijos nos corações iluminados.


Dilmar Dutra e Marlene Daltro, parceiros nos estudos livres e sócios no site www.dilmardutra.com.br