“Mutações Induzidas; Espontâneas;
Dirigidas; Adaptativas ou ao Acaso?”


Imprimir 

Postado em 19 de fevereiro de 2012.

Por: Dilmar Dutra – Biomédium Autodidata em Ciências Integrais em Perfeita sintonia com a Espiritualidade Universalista, Ecumênica e Holística – Escritor Científico e Espiritual.

Fonte: Revelação Espiritual, diante de uma reportagem da respeitável revista SCIENTIFIC AMERTICAN – BRASIL. – Aula Aberta, nº 10 – 2012. Que traz uma matéria de Biologia sob o título: “A fascinante evolução do Olho – Órgão complexo carrega cicatrizes da SELEÇÃO NATURAL, numa alusão de que: “Os olhos dos vertebrados, estariam longe de serem concebidos de forma inteligente.

Confesso-me pasmo, que em pleno Século XXI, com todos esses saltos Quânticos Biológicos, possam alguns Cientistas colocar a hipótese de que o acaso poderia criar formas de vida complexas e ainda, estabelecer um código para a hereditariedade. As mutações sejam elas induzidas, espontâneas, dirigidas e adaptativas, são “Psiquicocorporais” – Para mim, todas essas hipóteses passam inteligentemente pela adaptação sob controle rígido do Biocampo Mental, que cria os cérebros e os olhos, enfim todo o corpo, como equipamentos da “Mente Extrafísica” que não têm uma localização exata no meio ambiente, que é um “Campo Morfogenético”, que interage com os corpos locais, trazendo informações coerentes, nossas observações nos mostram que todas as espécies que não se adaptaram, foram para a extinção, vejo a vida como um todo, manifestar-se em propriedades espirituais.

(Antes de continuar com o assunto em tela, faço a seguinte observação, ao colocar a minha opinião com serenidade e tranqüilidade, por que não tenho compromissos com os enganos. Faço pesquisas e acompanho as pesquisas de todos os Profissionais, que também, têm compromissos com a verdade. – Recomendo e divulgo tudo que está relacionado com o Campo Akáshico e com o perfil Holístico, Universalista, Ecumênico, Científico e Espiritual).

Questiono tudo fora do perfil supracitado, mas respeito todas às diferenças, ou tudo que é resultado de pesquisa relacionada e concluída, mesmo que elas estejam em cima de uma só “Ciência Isolada”, só as considero parte da verdade, por serem REDUCIONISTAS. Todavia apesar de não concordar com algumas colocações de Profissionais Sérios, cuja reputação está acima de quaisquer suspeitas, mas que estão como eu, na busca uma visão clara e mais transparente dessas questões, eu confesso que também tenho fome e sede de informações, que possam nos levar a entender e compreender toda complexidade manifestada.

Quero deixar aqui muito claro. “Que tenho o maior respeito e admiração pelo Dr. Trevor D. Lamb, Pesquisador do Departamento de Neurociência da John Curtin School of Medical Research e do ARC Center of Execellênce in Vision Science da Austrálian Nacional University, em Camberra – Austrália. Para mim, um Ícone de referência científica, que acompanho, admiro e respeito.

Entendo que em respeito aos nossos estudos, apoiados na ética fundamental, que permeia o nosso trabalho, bem como, o trabalho de toda comunidade científica e na qual respeitamos muito, mas não significa que tenhamos de concordar com tudo em relação a todo processo de reprodução, replicação e hereditariedade. Na verdade eu penso que tudo isso é puro controle Mental, e eu pessoalmente. Não acredito em mutações ao acaso, principalmente nos órgãos de maior complexidade, identifico-me muito, com a hipótese do Dr. Rupert Sheldrake – Biólogo Inglês que definiu muito bem, sua Teoria ao desenvolver a seguinte hipótese:

“A hipótese dos Campos Morfogenéticos estabelece que as formas dos sistemas auto-organizadores são definidas por Campos Mórficos. Eles organizam os átomos, as moléculas, as células, as sociedades, os ecossistemas, os sistemas planetários, os sistemas solares, as Galáxias, enfim, eles organizam sistemas em todos os níveis de complexidade e é a base para totalidade da Natureza, que é maior do que a soma das partes”. Hoje o Dr. Rupert Sheldrake, está ligadíssimo como Pesquisador ao Institute of Noctic Sciences, dos EUA – (Califórnia).

Por essas razões, eu pessoalmente entendo que a SELEÇÃO NATURAL é totalmente dirigida e controlada por esses “Campos Inteligentes Morfogenéticos” e, não vejo cicatrizes no aspecto da evolução, ou que possam ser rotulados de defeitos, vejo apenas sulcos devidos às adaptações, que descartam partes inúteis ou em desuso, diante do meio ambiente como habitat natural. E em relação aos vasos e microvasos sanguíneos, eu os, vejo, como estradas vicinais, aonde os sistemas vivos através desses vasos, conduzem as informações via sangue, por ser o sangue, depois da luz; e da água, que guarda informações em memória, em consorcio com outros gases atmosféricos em supremacia, chamados de anaeróbicos, e nos sistemas aeróbicos, aonde a supremacia é do oxigênio, e é nesta condição adaptável que surgiu o cérebro e é por onde o sangue, é o maior condutor de informações sob intensa manifestação molecular como memória celular, tanto nos cérebros, como nos olhos, justamente por essas teias de microvasos sanguíneos, onde áreas são inundadas e transformadas em charco de sangue, para processar melhor as informações, num consórcio de “mentecorpo” “celularmolecular”, através de fibras nervosas, microtúbulos protéicos, microtúbulos intermediários e filamentos múltiplos, bem como, os chamados fotorreceptores com os “SULCOS” confundidos com cicatrizes, alem de citações de sombras indesejáveis, deixadas pelos microvasos sanguíneos. Um exemplo disso, ha ser citado. É dos Gorilas, onde o diferencial, chamado de pequeno, nos códigos do genoma. É na verdade enorme, em relação aos hemisférios. Os animais humanos são os únicos que possuem “Lóbulos Frontais”, desenvolvidos com capacidades especiais, (A amígdala é relativamente grande comparada com outros animais) e é o que estabelece a diferença cerebral em grau para todos os demais sistemas vivos da “Família Animália”. E eu poderia dizer que isso se trata de mais uma adaptação. Todavia esta condição cerebral de ‘Lóbulo Frontal’, fez com que os humanos tivessem todos os sentidos prejudicados como, visão, olfato, percepção, paladar etc.

Não vejo necessidades de minudenciar os pequenos trombos por microaneurismas, por serem facilmente identificados. Já com relação à virada dos nervos ópticos, criando um ponto zero, ou cego, que eu também, penso estar mais relacionado há humanos, face cada espécie, haver desenvolvido uma adaptação, usando o mecanismo da torção biológica. O lagarto, por exemplo: Vira os olhos a 360º Graus, as flexibilidades podem deixar “sulcos” que são compreensíveis, e equivocadamente confundidos com cicatrizes, por ser, uma espécie de apêndice, descartada pela seleção natural, diante da não necessidade de uso, como uma adaptação para preservar ou não, esse, ou aquele órgão. E isso eu acredito fazer parte de um programa de mutação que vai descartando-se ao longo da necessidade adaptativa, de acordo com cada espécie, com capacidade de perceber, prever e lutar contra a sua própria extinção.

Para Finalizar eu volto a afirmar com todas as letras: “A capacidade dos humanos em relação a todos os “sentidos”, é muito pequena, ou seja, está muito prejudicada, face, acredito eu ser o cérebro humano, o responsável por esse prejuízo de perda na capacidade de diminuir os “sentidos”, ou seja, ele bloqueou em muito, as questões de capacidade e de percepção, numa adaptação relacionada a “Cadeia Alimentar”, sua adaptação fez com que tudo fosse usado como alimento, sem precisar desenvolver uma especialidade, ou qualidade específica de fazer a escolha desse ou daquele alimento, e na busca desse alimento numa adaptação, onde tudo é alimento facilitou e relaxou, a necessidade de sentidos mais apurados. Vou citar dois exemplos, ande a visão da Águia e do Falcão é muito superior a nossa, ou seja, dos Seres humanos.

Já em relação ao circuito de células bipolares, penso que se reflete na estrutura primeva, de todos os seres vivos, ou seja, todos têm uma dualidade bipolarizada, para que possam avaliar os extremos opostos e com isso, encontrarem a neutralidade, o equilíbrio, a harmonia, que interage do Campo Morfogenético, no meio ambiente não local, para os corpos locais. Somos Seres mistos e dentro de nós está inserido o livrearbitrio, ou seja, a escolha e a tomada de decisão, bem como, Amor e Medo e eu vejo, o MEDO, como um grande auxiliar do AMOR, nesta Cadeia Almática de Presas e Predadores, porque o MEDO faz à presa fugir do predador.

Um forte abraço e beijos nos corações iluminados.

Dilmar Dutra e Marlene Daltro – parceiros nos estudos livres e sócios no site www.dilmardutra.com.br recomendamos o site de nossa parceria. www.joseeduardomattos.com.br