“INGREDIENTES DA VIDA ALMÁTICA”


Imprimir 

Postado em 24.10.2011

Autor - Imhotep e ou Hermes Trismegisto em Consciência interage sob abstração mediúnica espiritual com Dilmar Dutra Biomédium que está autodidata em Ciências Integrais em perfeita sintonia com a espiritualidade ecumênica e espiritualista, assim como, escritor científico e espiritual com a missão de trazer um novo paradigma com uma nova ordem, a saber:

A luz (informação) consorciada à radiação cósmica, gases atmosféricos, água salgada e doce, partículas inorgânicas, numa “simbiose molecular celular” são os ingredientes da vida almática. Esses elementos, como ingredientes da vida e totalmente dirigidos pelo “EU MENTE ESPÍRITO” que implantou neste Orbe (Planeta) seus Anjos Demiurgos, ou seja, um sistema microbiano para construir os “orgânicos” - excreção do conjunto inorgânicos e orgânico, criando assim a “vida almática” como a conhecemos hoje, cheia de seres mistos e simbióticos.

Esta interação é propiciada de forma integral e única a partir da condição primeva. Foi preciso mais de um bilhão de anos de ebulição para transcender da condição primária para a condição secundária de fermentação e, mais outro bilhão de anos para atingir a condição terciária em que vivemos hoje, que é a de respiração. Respiração que permite aos sistemas vivos, como unidades atômicas, uma interação com as semiconsciências e consciências nos aspectos anaeróbicos e aeróbicos. Respiração gerada pelos Anjos Microbianos dirigidos pelo “EU MENTE PSIQUE ESPÍRITO” como manifestação divina morfogenética no planeta. Através da interação desse campo gerado pelo “EU MENTE PSIQUE ESPIRITO” com o Campo Maior chamado de Akáshico ou Taquiônico (que representa o Grande Pensamento e que irradia cosmicamente e eletromagneticamente a luz) que contém todos os corpos carrea a informação do Campo Maior para os Campos Morfogenéticos Menores, obtém-se também, por esta interação a relação mente-corpo, que é alimentada de informação sob forma imaterial. A informação consorciada com a memória celular-molecular estabelece a memória pela água que representa na célula 70% de sua constituição, que tem na Molécula “ATP” Adenosina Trifosfato e Proteínas que regula a entrada a saída de água da célula para manter a memória na água com informações novas e descartando as informações velhas. A Molécula ATP é o mensageiro divino dessa interação cognitiva simbioticamente dentro da célula interage como mensageiro Divino interagindo com outras moléculas, para estabelecer uma cognição entre o Campo e os Corpos.

Nossa preocupação maior neste momento é que os seres humanos não compreenderam que o Planeta é totalmente microbiano e que todos os sistemas vivos, inclusive os humanos são criações microbianas e que todos os seres vivos da diversidade Planetária foram criados por esses nossos ancestrais, que nos tem como alimentos. O processo simbiótico levou bilhões de anos até se chegar aos humanos.

As bactérias cresceram para engolfar as bactérias (células) menores e começar a simbiose, primeiro engolfando e digerindo depois engolfando sem digerir. Evoluíram como defesa do processo de “divisão binária” para o processo de “meiose”, criando um Útero Quântico dentro de si além de outros órgãos, até chegar ao cérebro, que é uma caixa de tarefa, totalmente, dirigido pelo “EU MENTE PSIQUE ESPÍRITO”. Esta parte do corpo nos animais chamada de cérebro foi o último órgão criado pela consciência, que se manifesta por grau em todos os seres vivos a partir das memórias filogenéticas, microtubulos, microtubulos intermediários, e filos que construíram os polipeptídios que originaram os neuropeptídios, células da glia, etc. Interação esta, de evolução e expansão, que vale para todos os sistemas vivos.

Hoje a palavra de Ordem é mitigação. Questionamos o aspecto de vulnerabilidade do ar, das águas, do resultado de toda produção de alimentos e da vida como um TODO. Neste modelo padrão da sociedade humana que já extrapolou todos os limites possíveis colocando a vida em xeque.

É hora de ouvirmos nossas células e moléculas, de escutarmos nossas memórias filogenéticas, nossos polipeptídios e neuropeptídios, assim como nos animais que somos, nossos neurônios. Observaremos o dialogo bacteriano desesperado ameaçado pelos humanos.

Deixo aqui um alerta: o Planeta é bacteriano e se ameaçarmos seu domínio, seremos condenados à extinção, como espécie da diversidade Planetária.

Só temos um caminho que é o da liberdade – longe dos dogmas e das mitomanias.

Um forte abraço e beijos nos corações.

Dilmar Dutra e Marlene Daltro – Parceiros nos estudos livres e sócios no site www.dilmardutra.com.br