“MEMÉTICA – INVASÃO DAS MENTES”


Imprimir 

PARTE III

Postado em 21.10.2010.

Fonte Espiritual: “Eu Mente Consciência Espírito” “Meme” Sacerdotisa Alquimista, do Templo do “Olho Mediúnico de Hórus”. – Antigo Egito.

Por Dilmar Dutra – Médium Autodidata Científico.

      Como vimos na Parte II, é a Mente, que dirige tudo de um lugar não localizado no meio ambiente apropriado-(campo Mórfico) e, não os cérebros localizados em corpos que dirige nada. Agora que sabemos que mais de 3/4º dos sistemas vivos não tem cérebros, mas têm capacidades de interagirem com a mente taquiônica, face ser “ela Mente” extrafísica e primariamente (primevamente) “não confundir com primitiva”, interage com a matéria bioquímica microbiana, ainda, nos organismos unicelulares e a posteriore (muito tempo depois) nos organismos multicelulares e devido às transformações (sexo biológico) e com as adaptações muito tempo depois (entenda-se como mais ou menos alguns milhões de anos depois “não temos como precisar datas”, foi que surgiram os animais com cérebros.

     Estas inteirações do Eu Mente-(campo de informação e inteligência), com os filamentos e microtúbulos protéicos e posteriormente com cérebros e memórias filogenéticas neuronais numa inteligente melhoria do sistema celular, são oriundos, são básicos e adaptativos em todos os sistemas vivos, por grau, sem cérebros ou com cérebros, nos sistemas de vida celular. (Incluem-se todos os sistemas celulares vivos na qualidade de sistemas nervosos do Planeta bacteriano “GAIA”). Vamos começar falando de Neurogênia Quântica ou de neurotroficogenes possuidores de um código “RNA primário” e “DNA secundário”’ capacitado para captarem o que chamamos de vascularização ambiental. Atividades anaeróbicas (sistemas semelhantes à respiração, ou seja, sem pulmões como ebulição e fermentação químico-biológicas por outros gases e aeróbicas (inteiração com outros gases e com oxigênio, para formação de filos e microtúbulos, e vasos sanguíneos apartir de proteínas, sejam filamentos, microtúbulos captadores de proteínas. Na verdade podemos afirmar que são neurotransmissores das fendas sinápticas de todo tipo de filamentos e microtúbulos, por onde passam os impulsos genéticos captados do meio ambiente “Campo de Informação e Inteligência Mente” para os “corpos mentais”, com ou sem cérebros, para fazerem com que novas ramificações sejam disponibilizados nos filamentos e microtúbulos protéicos - (fator neurotrópico dos sistemas vivos sem cérebros e no hipocampo dos sistemas vivos com cérebros, para melhorar a qualidade de armazenar dados de memorização celular, recebidos por impulsos elétricos do campo do “Eu Mente Consciência Espírito” para os “Plasmas Almáticos Corpos” de todos os sistemas vivos, não extintos como parte integrante do Planeta).

      (Quero abrir um parêntese aqui, para fazer uma afirmação: A perda da biodiversidade aumenta o risco no Mundo todo de tornar o Planeta Inviável, para vida como a conhecemos.

      Vou falar do Brasil Tropical, a demanda por recursos básicos naturais está entre 65% e 78%. É brincadeira o que fazem com a água doce e potável, no Brasil e no Planeta. Especificamente no Brasil e em seu território, a devastação do “Sertão Veredas” “Goiás, Bahia, e Minas Gerais”, que abastecem os mananciais, e outros tipos de reservatórios, bem como, o “Aqüífero Guarani”, praticamente estão em fase degenerativa. As populações aquáticas de água doce declinam alarmantemente e, sob os meus cálculos, já chega a 78%. Nos Oceanos, já é 65%. (Me assusto com a política gananciosa do Pré-sal do Governo Brasileiro). Será que as delegações de mais de 160 países, que participam da COP-10 até o dia 29.10.2010 – Terão competência para evitarem com medidas de implementações de recursos para preservação, regeneração, por exemplo, dos recifes de corais, onde os ecossistemas mais ricos da cadeia alimentar estão ameaçados de maneira crescente e irresponsável dos seres humanos incapazes de compreenderem, que sem o Planeta auto-sustentável, não pode haver “vida”. (Estão destruindo com a ganância pela extração de petróleo em áreas de alto risco ao meio ambiente e que compromete toda Água Planetária, porque inviabilizam a variedade de seres vivos”. Menor a biodiversidade. Maior o risco de pestes e de doenças, isto porque: Um maior números de espécies só trazem, benefícios de qualidade de vida, de hábitos saudáveis, bem como, uma maior segurança, para continuar a vida, como a conhecemos no Planeta”.

      Tenho “MEDO do PRÉ-SAL”, ou melhor, de suas CONSEQUÊNCIAS “JESUS’ estava certo. Já se passou mais de 2000 anos e JESUS CONTINUA MEDIUNICAMENTE FALANDO: “PAI ELES NÃO SABEM O QUE FAZEM”.

      Voltando ao assunto: O gene é o elemento que interage por dispositivo de plasticidade morfogenética dos corpos viventes e do Planeta, de seu meio ambiente, e da mente extrafisica, para formação de todos os sistemas vivos se conectando por incorporação de consciência parcial em grau em todas as espécies da Diversidade Planetária, mostrando a interrelação MENTE/CÉREBROS de muitos animais e de humanos, e a relação MENTE/FILAMENTOS E MICROTÚBULOS ALMÁTICOS E PROTEÍCOS NA QUALIDADE DE SISTEMA NERVOSO DO ORBE (PLANETA GAIA).

     Façamos uma viagem histórica pelo GENE e pelo CÓDIGO DE VIDA ascendente do micro para o macro, e com sua mão de volta descendente do macro para o micro (via extinção). Existe realmente um programa com a capacidade interativa nas células, (que hoje chamam MEME, que seria uma unidade auto-replicadora análoga ao GENE) - “Segundo Richard” um grande cientista materialista que levantou a hipótese em seu livro “O GENE EGOÍSTA” como uma metáfora, para tentar explicar a transmissão de padrões de informação extraídos dos cérebros (coisa que discordamos por que sabemos que a plasticidade morfológica dos sistemas vivos com ou sem cérebros, interagem com o “Eu Mente Espírito Psique Consciência” um Campo de Informação e Inteligência sem uma localização exata no meio ambiente que por incorporação parcial de consciência por grau em cada espécie da Diversidade Planetária, têm um código DIVINO que estabelece essa comunicação e é de simples explicação: Somos mais meio ambiente do que genômicos, ou seja, um exemplo: As células são constituídas de 70% de água, 01% de íons (matérias inorgânicas), e só 29% das células, são de orgânicos (lipídios, triglicerídeos etc.) E o código GENE representa a partícula ou a unidade bioquímica Divina inserida no compêndio microbiano do “Planeta” ou os “Engenheiros Divinos” que captam tudo do Campo Espiritual ou Taquiônico, ou ainda, “Campo Akáshico” pela coerência não local do campo taquiônico, para a coerência local do corpo quântico, que incorpora parcialmente um tipo de consciência distribuída por grau para cada espécie da diversidade hereditária e auto-replicadora em vida, mas nunca pela forma de mecânica quântica computacional de um acaso genético ou determinismo genético relativos ao RNA primário e ao DNA secundário. OBS: Toda forma computacional é criada por uma MENTE extrafísica e como uma máquina é muito diferente de uma célula, que é uma partícula bioquímica Divina e microbiana inorgânica e orgânica, ou partícula manifestada pela “MENTE DEUS” da singularidade espiritual, ou seja, da colisão de partículas das energias claras de velocidade da luz com as partículas das energias escuras (ocultas) de expansão como forças iguais, que na colisão se anula, se aniquila, e estabelece uma nova energia equilibrada, e harmonizada, chamada por “Imhotep” de Taquiônicas que estabelecem a Ordem no Caos. e que é como DEUS, não se pode ver ou pegar, apenas podem senti-la. Como a conhecemos, ou seja, pelo AMOR, inserido na Unidade Atômica de Energia Quântica ou que podemos senti-las pelo MEDO. Dai a dizer, que essas fórmulas computacionais, são criadas pelos cérebros. É passar com a carroça na frente dos bois, dizer que hereditariedade e auto-replicação são vômitos da natureza. É uma pretensão mirabolante do chamado determinismo genético, como sentença em cima da letra que mata, de uma teoria parcialmente inconsistente como a Teoria Darwiniana. Algo de tamanho e beleza, e de tamanha complexidade, não pode surgir ao acaso em apenas 3.8 bilhões de anos, em relação a expansão do Metaverso Taquiônico com seus Multiversos Quânticos. É preciso entender que algo secundário como os cérebros, surgidos muitos e muitos anos, milhões de anos após a vida planetária, possa ser responsável pela capacidade inteligente e consciente das células que são sua própria constituição. É tão simples, racional e inteligente, fazer um exercício de consciência e compreender que as células são ascendentes como “códigos de vida” de micro para o macro e pelo “código de morte” são descendentes do macro para o micro, via extinção de uma cadeia mental retro-alimentar almática, onde todos comem todos, todos se alimentam de todos, estabelecendo na morte a inexistência da unidade atômica e na desativação do código Divino (neste caso sem o comportamento replicativo da espécie extinta, que sempre é substituída por outra). Isto não pode ser considerado um acaso ou seleção natural ou evolução. Está mais para involução e como involução não existe no “Todo Mente ou Metaverso”, bem como, em TODOS os Multiversos Quânticos e Mentais, por que o “TODO” evoluiu, evolui e continuará a evoluir de forma Infinita e Eterna, em face de, a Mente ser Eterna e Espiritual Criadora. Vida, Morte e Extinção são criações e como tal, são mentais. Portanto não existe essa de involução, as variações perdem nas extinções as abundâncias de elementos diferentes, perdem a hereditariedade ou a replicação. Os elementos físicos, químicos, biológicos etc. ou ainda, inorgânicos e orgânicos, não podem na extinção continuarem a serem captados para criarem cópias ou replicas de si mesmo, em face de a desativação para posterior substituição adaptativas de cérebros para cérebros extintos ou de computador para cérebros (porque o cérebro morre) diferente do “Eu Mente” que é “Eterno e Infinito” produzindo consciências para EVOLUIREM. (É a consciência que evolui, a matéria, se transforma se adapta e vai para a extinção). Até mesmo para uma possibilidade mutante, precisa-se da “Mente Extrafisica” para ativar um código físico e precisa estar de acordo com o meio ambiente apropriado com manifestações replicadoras e hereditárias com possibilidades de propagação própria. É preciso entender primariamente que o Mundo Microbiano, ainda está oculto para os humanos, muito pouco se sabe deles e não existe hoje, nada que possa visualizar um átomo. Mas sabemos que não existiria VIDA no Macro sem o Micro.

       Iremos dar continuidade com a parte IV. Onde estaremos minudenciando este filão microbiano das unidades auto-replicadoras análogas ao GENE. Aguardem a parte IV desta matéria.

Um forte abraço e beijos no coração de todos.

Dilmar Dutra e Marlene Daltro