A NEUROPLASTICIDADE MORFOLÓGICA


Imprimir

PARTE 2

Postado em 05 de outubro de 2009
Autoria: Espírito Imhotep e ou Hermes Trismegisto
Receptor: Dilmar Dutra – Médium Autodidata Científico

     Atendendo pedido da Galera de Aracajú – SERGIPE. Walber, Yara, Casemiro e Maria Rita. Um forte abraço e, um beijo no coração, aí vai o que vocês pediram.

     É verdade sim. “Todo tecido nervoso apresenta Plasticidade, segundo Imhotep. A neuroplasticidade manifesta-se em todos os tecidos nervosos dos cérebros de todas as espécies da fauna existentes no Planeta Terra.

      E realmente! Não é uma exclusividade da espécie Humana do reino celular, todas as espécies em que o desenvolvimento Ontogenético, avança de modo recorrente, do nascimento, até a idade adulta, ou idade da maturidade apresentam esta plasticidade. Todavia! Nessa idade, desenvolve-se uma capacidade maior na espécie humana, medida em grau de consciência, assimilada em regiões específicas dos cérebros com capacidade de percepções anímicas, ou seja, podem perceber captar e armazenar dados pela luz, pela percepção, pela reação extra-física (bilocação) com captação de proteínas, na forma fluídica, extraída do meio ambiente apropriado, desde o processo primevo e básico microtubular do citoesqueleto (esqueleto da célula), e esta é a função primordial de buscar no meio ambiente proteínas, capazes de estabelecer a auto-regeneração através de axônios periféricos, para recompor o sistema imunológico, diante de “avarias”, por lesões em perfeita interconectividade com o meio ambiente apropriado, onde o “Eu Mente” ou “Espírito” manifesta-se em consciência, (sem uma localização exata pelo meio ambiente do Planeta). Numa proporção de 75% do meio ambiente o “Eu mente” dirige todo sistema nervoso central dos cérebros, implantando memórias nesse computador do genoma, tal inteiração com as plasticidades das arborizações axônicas e dendríticas, ou seja, uma manifestação características das espinhas dendríticas (localização onde existe uma atividade de sinapses mais intensas, vibratórias e excitatórias, provocadas pela chamada plasticidade, que não é uma exclusividade dos cérebros, mas de todas as bases primevas - (não confundir com primitivas) - do compêndio genético das “Unidades Almáticas”, ou singulares da membrana constituídas de memórias filogenéticas. (Base que define o corpo almático) como criação Divina totalmente construída e dirigida pelos Espíritos - EU MENTE - ou seja, pela colisão de energias clara (luz) de velocidade e informação com a energia escura (oculta) de potencialidade e expansão, que se unem por (creação ou fusão) aniquilando-se em neutralidade Cósmica Divina, tornando-se única (uno) denominada de Energia Taquiônica, Eterna e Infinita, que não pode ser criada ou destruída, que pré-existiam, que existem e pós-existirão, pela Eternidade do Infinito e que chamamos de Espírito e as “Ciências Integrais” chama de “PARTÍCULA DE DEUS” “DIVINO ESPÍRITO ÚNICO SAGRADO OU AINDA ANTIMATÉRIA”.

      Espiritualmente este processo é de total interconectividade, com o meio ambiente Planetário e com todo o Cosmo, e é totalmente indexado a chamada Apometria Taquiônica. – Verifique o que significa Apometria Taquiônica em nosso SITE.

Ir para a parte 3

Um beijo no coração e um forte abraço a todos.

Dilmar Dutra (Médium Autodidata Científico)