O PLANETA “TERRA” TENTA RESISTIR AOS “CICLOS” E AOS
“SERES HUMANOS”

Por: Dilmar Dutra – Médium Autodidata Científico

Postado em 20.03.2010.

      Um recente estudo, publicado na última edição da “NATURE GEOSCIENCE”, mostra que os oceanos seqüestram, por absorção, um quarto de todo “CO²”, resultante da ação de queimadas, produzidas por acidentes naturais, em consórcio com os resultados das ações de humanos, como a queima de combustíveis fósseis e de outros fatores diversos por todo Planeta. Segundo os cientistas, os vulcões submarinos são essenciais para o clima do Planeta. Suas erupções despejam grandes quantidades de ferro no meio ambiente, que servem de alimentos básicos, como as plantas unicelulares, chamados de fitoplânctons, e essas microalgas absorvem como alimento, o ferro e o gás carbônico nos oceanos. Os suprimentos de ferro vêm das erupções submarinas e significam explosões de vida, fazendo surgir os fitoplânctons que são a base primeva, da cadeia alimentar dos oceanos. Esses vulcões, ao liberarem o ferro, criam um ambiente propício para a multiplicação dessas microalgas importantíssimas, no processo de sequestro de “CO²”. Quando esses organismos morrem, ou são comidos, levam consigo grande quantidade de carbono, que são absorvidos pelo leito marinho. Se o leito dos oceanos for pobre em ferro, dificultam muito o crescimento e multiplicação dos microplânctons, como alimentos primários para todos os sistemas de vidas aquáticos.

     Aliás, é bom frisar que as erupções vulcânicas, em terra, também são uteis para a manutenção da cadeia retroalimentar do Planeta. Vulcões em terra proporcionam uma fonte alternativa, porque suas cinzas carregadas de partículas de ferro e outros elementos químicos são levados pelos ventos aos mares, lagos, rios, açudes, etc. Uma ação Planetária consciente como “GAIA”, dirigida do “Campo de Informação e Inteligência Telúrico”, é de onde o “EU MENTE CONSCIÊNCIA CÓSMICA, ou ESPIRITO” atua de forma eficaz e inteligente, ou seja, interage com o “Planeta Organismo Vivo” e faz a sua parte, regenerando o “Grande Útero Quântico da Mãe Natureza, chamado de oceano”, onde gerou, gera, e continuará gerando, todos os tipos de vida, em total harmonia e interconectividade, objetivando contar, não só com a cooperativa Espiritual, aonde os Seres Humanos são partes integrantes desse “Campo de Informação e Inteligência”, que dirige todas as Espécies da Diversidade Vital, onde os citados Seres humanos são os que estão mais bem adaptados, com consciência e ferramentas capazes de preservar e regenerar a vida como um todo, neste Orbe.

     O processo de regeneração ciclal, quando o Planeta provoca acidentes naturais, chamados de cataclismos, mostra-nos com evidências e sinais dirigidos por ações inteligentes, para renovar a base primeva, que é a cadeia alimentar e nutricional, jogando ferro e outros elementos químicos, necessários à manutenção da vida, nos oceanos do Planeta. É uma luta constante contra os ciclos do sistema solar e dos seres humanos, que se encontram na contra mão da regeneração e moralização, incapazes de compreender o nosso LAR, sujando, poluindo, destruindo as coisas básicas, como a água, como o oxigênio, como as florestas etc. E, principalmente multiplicando-se assustadoramente, construindo uma agricultura e pecuária numa proporção exagerada, derrubando florestas perenes e tão importantíssimas para preservação do meio ambiente e, mesmo assim, incapazes de alimentar todos os humanos e criações domesticadas, face ao desperdício e à má distribuição, objetivando lucros e despertando a ganância dos ambiciosos, onde a própria espécie fica entregue à própria sorte e refém dos gananciosos, no poder.

     Já somos quase 07 bilhões de humanos num Planeta que mal suporta 2,5 bilhões. Resultado: Fome, pobreza, miséria e muita sujeira que ameaça todos os sistemas vivos por todo meio ambiente Planetário. Sabemos que o que está ocorrendo agora, não pode ser atribuído só aos humanos, mas grande parte são conseqüências de nossas ações, num somatório ao longo de milhares de anos, sem uma “consciência coletiva” do que o meio ambiente representa para a vida, como um todo. As civilizações humanas, como parte do Planeta vivem uma experiência fanática, influenciada por “cultos”, onde se prega esperança por “milagres devocionais”. É preciso mudar esse conceito de utopia e racionalmente, coerentemente, passar a idéia de que precisamos ajudar o nosso “LAR PLANETÁRIO” - O Planeta e todas as Espécies da Diversidade, a Natureza agradeceria tanto, se déssemos uma mãozinha aos milagres. (A mão de ida precisa ter mão de volta). O “Profeta Maomé” teve essa percepção ao parodiar: “Se a montanha não vier a Maomé, Maomé vai à montanha”. Isto é tão claro e tão óbvio, e a gente escuta essa citação por muitos “conferencistas”, mas em nenhum momento, pelos menos “eu”, os vi ou escutei darem exemplos de como fazer a sua parte, no procedimento educacional, Conferencistas e Professores deveriam ter compromissos mais amplos de não passarem apenas uma informação de fatos históricos, deveriam atuar como Educadores na formação da essência educacional, sugerindo o que significa de verdade, comentando e despertando novos paradigmas na consciência curricular do processo educacional. Libertando as consciências de cima da letra que mata, de disciplinas fechadas que não estão dentro do conceito de expansão por que passa todo “Metaverso”, contido em “DEUS”. Descobrimentos, redescobrimentos, novas percepções, novas idéias, é que podem ajudar a humanidade respeitar todas as diferenças e compreender a vida como ela realmente é. Compreender que tudo, no Universo, está ligado e contido em “DEUS”; que tudo interage com tudo; que todos interagem com todos e, que somos partes integrantes do Planeta, dos Multiversos, do Metaverso e de “DEUS”.

     Precisamos ter a noção correta ao separarmos o joio do trigo, meditar sobre a nossa parte, no contexto dos acontecimentos, neste somatório que vai de cataclismos naturais e das conseqüências de nossas ações no meio ambiente, antecipando e potencializando muito as ocorrências ciclais, naturais e telúricas, como por exemplo, a questão dos oceanos e dos derretimentos polares que estão ligados ao aquecimento e aos fatores de influência da “Lua”, neste contexto; que devido ao aumento nos níveis dos oceanos, que a cada ano cresce e com isso, o movimento dos mares ocasiona um fenômeno que a ciência já constatou, referente ao afastamento da lua, na proporção de 3,5 cm por ano, devido ao movimento das correntes marítimas que provoca esse afastamento e, com isso, interfere no eixo imaginário da Terra, causando um desequilíbrio e uma desordem nas placas tectônicas que cavalgam (avançam sobre outras, subindo uma sobre outras) e influenciam as falhas geológicas e, com isso, numa ação consciente “GAIA” tenta manter a vida como um todo e as atividades no núcleo da Terra explodem em magmas, liberando energia e material bioquímico, essencial para manutenção da vida como um todo. Resultado: erupções vulcânicas e terremotos.

     Eu perguntava e questionava à Espiritualidade, se existe algo que possamos fazer antes de a LUA se afastar, mais ainda, e entrar em zona de colisão com asteróides e, com isso, comprometer todos os sistemas de vida na Terra.

     “Imhotep” respondeu que seria impossível hoje para a Ciência chamada moderna, seqüestrar uma Lua, para substituir a nossa. Como alternativa, sugere tendo em vista os saltos quânticos, que a engenharia humana deu nesta última década, nas áreas de construção de diques, para conter a fúria dos mares nos litorais de continentes e ilhas, existentes nos oceanos e mares do Planeta, adotando e adaptando esses conhecimentos para construções em locais propícios nos fundos dos oceanos com objetivos de acalmar as correntes marítimas e, com isso, impedir que a Lua continue se afastando e possa acalmar a fúria da natureza. Por outro lado, é racional e muito importante controlar a natalidade por um período razoável e, com isso, os sistemas vivos possam resistir bem alimentados, acabando com a fome, a miséria e respeitando todas as diferenças, aonde a Mãe Natureza precisa ser priorizada, para que possamos continuar a existir, neste Planeta, como espécie da Diversidade de VIDA.

     O Campo Taquiônico (Akáshico) Espiritual, de Informação e Inteligência ou o “EU MENTE ESPIRITO”, sugere que façamos exatamente o que o Planeta faz qual seja, o de abrir os campos fechados de todos os sistemas de vida; manter a malha eletromagnética; regenerar a camada de ozônio; dar estabilidade ao Planeta e arregimentar toda a humanidade, sensibilizando os Governos e todas as Empresas e Entidades Privadas no sentido de apreciarem a sugestão e, numa ação de URGÊNCIA URGENTÍSSIMA, criar um fundo Mundial, para construção, como prioridade absoluta, dos diques sugeridos.

Um forte abraço e beijos no coração.

Dilmar Dutra Médium Autodidata Científico