COMENTÁRIO DO MÉDIUM SOBRE A ORIGEM DA VIDA

Face às inúmeras indagações, solicitando que explicássemos detalhadamente, como entendemos o assunto.

Consubstanciado no SITE, em 28 junho de 2009.

Antes de iniciarmos o comentário, vamos propor um exercício de substituição da terminologia “Evolução” para “transformação e adaptação”; da terminologia seleção “natural”, para seleção “dirigida” e não confundir “patogênese” (abiogênese) com “patogênico” ( de patologia, referente a moléstias e doenças).

NB: Esta proposta inicial deve-se ao fato de a Espiritualidade afirmar-nos categoricamente, que a matéria não EVOLUE; ela, apenas, se transforma, interage e se adapta desde o nascimento (surgimento). Para viver, desenvolve uma longevidade em estado imanente e desidratada. Protegida pela membrana, fica anos aguardando uma nova oportunidade de adaptação. Neste estado, evita temporariamente falecer (morrer), mas, por fatores externos manifestados, se a membrana protetora for danificada, ela vai morrer, independentemente de estar fora ou dentro do ambiente apropriado, ou seja, mesmo fora do Planeta, em estado imanente, pode viver milhares de anos, desde que não colida com quaisquer radiações cósmicas ou impactos colisores que danifique sua membrana, casos em que, também, vai para a extinção. (Esta referência aplica-se as bactérias às quais muitos afirmam, equivocadamente, serem imortais). A Chamada EVOLUÇÃO é exclusiva do “EU MENTE CONSCIÊNCIA ESPIRITUAL” que transcende da VIDA para a ETERNIDADE. (A Imortalidade foi um embuste, hoje consagrado, criado pelo Livro dos Mortos, dos espertos sacerdotes Egípcios e Tibetanos. “Vejam mensagem sob o título: PLANETA MICROTUBULAR, BACTERIANO E GERMINIANO”).

Na verdade, essas mensagens de Jesus Cristo, de Kardec e de Imhotep, em consórcio com nossos próprios estudos, bem como, de estudos publicados na mídia que contribuem com mais um pouco de novas informações, para que eu e o Professor José Eduardo, possamos aprofundar nossos estudos, pois acreditamos que não existe obra ou construção de um só “Ser Humano”. As contribuições vêm de todos os lados, por isso, acompanhamos e consideramos todos os fatos novos, que possam permitir novas percepções. Eu faço questão de relatar e concluir que este paradoxo, que estabelece a origem da vida, diante de questionamentos consagrados da “Química inorgânica e orgânica”, da “Biologia” e da “Física Quântica”, mostra-nos não serem fatos isolados, nesta busca, porque existem profissionais que buscam, filosoficamente, dirigir os citados questionamentos como, por exemplo, o que veio primeiro. “A informação genética que produz a proteína ou se a célula viva já vêm constituída de proteína”?

É óbvio que sob a minha visão, e acredito muito nela, estou propondo começarmos com um fator que considero como fiel da balança, ou seja, com a primeira membrana da Física quântica, (que é a última a ser materializada) para determinar, pela colisão, a ação que estabelece a unidade atômica almática de fluidos vitais, construída pela unidade pré-subatômica “espírito condutor da luz”, que colide com uma partícula igual da unidade pré–subatômica, para gerar um novo espírito, ou com uma partícula igual da unidade subatômica, para gerar “almas unicelulares” ou “almas grupo multicelulares”. Esta geração almática surge primariamente como um “Útero celular de águas revestidas e individualizadas, em projeto de membrana”. O resultado desse choque colisor resulta numa “partícula atômica”, já como corpo constituído pela materialização, estabelecida por uma onda de cálcio, resultante dessa explosão colisora, que reveste e insere compostos químicos, biológicos e físicos, no final da materialização, explicados pela Filosofia que propõe a integração de todas as ciências particulares, em uma Ciência Única de um “Campo Taquiônico”, desta grande simbiose Divina, contida em “Deus, que é o maior de todos os Cientistas”, ligadíssimo a esta grande Holarquia Universal, contida e interagindo de forma Ecumênica dentro de si, em consórcio retributivo ao inserir-se dentro de toda a sua criação na proporção de 25%, que significa uma proporção do “Eu Mente Consciência” e revestida, na maioria das espécies, na mesma proporção de 25%, e estando a dirigir tudo, na proporção de 75%, do “Meio Ambiente Cósmico”, sem uma localização exata, adaptando tudo pela “seleção dirigida” e programada pelo “Eu Mente Consciência”, que é anterior aos cérebros biológicos (uma bactéria, por exemplo: não tem núcleo, não tem organela, não tem cérebro, mas tem consciência nutricional, busca o alimento, tem sentimentos o “medo” está como parceiro do “Amor”, pois faz a presa fugir do predador; tem “livre arbítrio” para decidir, entre o ácido e o açúcar, indo para o que gostar mais. É preciso considerar as colisões da física quântica-(explosões cósmicas) da química orgânica e inorgânica, a partir prebióticos - protocélulas ou úteros celulares de água, da segunda membrana da abiogênese e que realmente é a segunda a materializar-se, já com inteirações adaptativas da terceira membrana da biologia composta, ou seja, bioquímica e que, na verdade, é o núcleo da geração a formar-se primeiro. Vou abrir uma chave para dar um exemplo, buscando o entendimento universalista, para que todos possam alcançar: Tudo isso, ocorre sob total direção da energia Taquiônica Espiritual de Amor Universal, sentimento Ecumênico inserido em todos os sistemas “Vivos e Almáticos”, ainda, nos citoesqueletos, estabelecidos pela ordem da Lei da Gravidade em consórcio com a Energia Taquiônica (sentimento) uma cumplicidade na multicelularidade de inteirações do metano com os hormônios, como par de uma unidade atômica, manifestada na fita dupla microtubular do RNA e do DNA, inseridos juntos pelo resultado colisor que acrea ou funde nucleotídeos com moléculas de açúcar como desoxirribose, anexadas pela colisão, estabelecendo uma explosão, manifestada numa onda de cálcio, em uma das bases paralelas interativas da dualidade bipolarizada de um agrupamento de fosfato dos paralelos microtubulares, primeiro do RNA e, em seguida, da manifestação adaptada do DNA, isto porque, este processo químico, conhecido como abiogênese, é complemento codificado pelo “Eu Mente Consciência Espírito", que recolhe do meio ambiente cósmico a adenina, acreando-a aos compostos químicos inorgânicos e orgânicos, em abundância no meio ambiente Planetário e cósmico, onde existe o cianeto de hidrogênio. Isto ocorre, porque a energia taquiônica, com sua força de união, inteiração, transformação e adaptação, funde, na colisão, a adenina e a ribose, e torna-se um elemento único interativo na fita dupla, ou seja, o fator colisor interage na base com o açúcar, numa mesma unidade simultaneamente, com a luz e a água, mensageiras moleculares de RNA e DNA, inserindo, também, os códigos de informações, que vão da replicação até a extinção, codificados por esta cadeia alimentar de presas e predadores, consolidando, na unidade recém criada, os 04 (quatro) tipos de nucleotídeos de RNA e de DNA, ou seja, nas fitas duplas, representando a dualidade e a bipolaridade. Agora vamos, por parâmetros, estabelecer o exemplo prometido. Um “OVO” todo mundo conhece e tem uma utilidade enorme em todas as culinárias do Planeta. O último, ou terceiro projeto de membrana, citado como terceira em nossa explicação, na verdade, é a primeira a materializar-se e significa a “GEMA” com sua membrana protetora, interligada pelo projeto divino, a “CLARA” que, por sua vez, também é separada, da casca por uma membrana, e é, realmente, a segunda a materializar-se, estando em total inteiração com a casca, que chamamos de explosão de cálcio, que foi a primeira a ser citada, mas a última a ser materializada. Esta manifestação espiritual reveste, insere e controla tudo do meio ambiente, bem como, de todo o Cosmos, pois tudo está contido em “DEUS” que não cria fora de si, todavia, ele está presente e inserido em todas as criações, pela energia taquiônica, manifestada em dois (02) sentimentos que estão inseridos em todos os sistemas vivos que são “MEDO” e “AMOR”. Na verdade, o “MEDO” não representa um oposto do “AMOR”; ele é parceiro do “AMOR”, porque faz a presa fugir do predador. E as decisões chamaram de “livre arbítrio”. Essa é a semelhança que temos com o CRIADOR, a semelhança espiritual em atividade, no modo desencarnado, mas não impede, que seja feita no modo encarnado dos espíritos, porque, com esta qualidade, também, não criamos fora de nós, podemos fazer o que queremos conosco, mas não podemos fazer que outros, arbitralmente, façam o que queremos. Não vale sob coação, ou sob doutrinações e catequeses, porque isto é uma forma prisional que impede o “SER HUMANO” de buscar novas percepções e novos paradigmas, conhecendo a VERDADE que LIBERTA o SER da IGNORÂNCIA. Portanto, somos “ESPIRÍTOS ENCARNADOS”, não importa! O que importa é que somos “ESPIRÍTOS” e, por isso, é viável que os humanos do reino celular, que não é dos mais complexos, mas têm o diferencial de interagir com o “Eu mente consciência espírito” e, com isso, possa criar vida em laboratório material. Esteja encarnado ou desencarnado, é relevante sim. Porque o espírito, é o coautor da vida.

Fonte do ensinamento Imhotep.

Retransmitida pelo Médium Científico:

Dilmar Dutra a serviço do amor.