“Saudade”

Imprimir

Postado em 13.03.2011.

Por Dilmar Dutra Biomédium Autodidata em Ciências Integrais e Espiritualidade Integral Universalista, Ecumênica e Holística em perfeita sintonia. Escritor Científico e Espiritual.

       Saudade pela definição do Biomédium Sensitivo. É um tipo de Sofrimento onde o “EU MENTE PSIQUE ESPIRITO” Eterno não local, sem uma localização exata no meio ambiente experiência, amarga de forma imaterial ao ter na “MENTE EXTRAFÍSICA” a perpetuação das Almas Unitária (célula molecular) ou Almas-Coletivas, ou em Grupo Simbiótico (células e moléculas) na estrutura de um ser vivo mortal e local Planetário, definição por revelação Espiritual, quando questionei com os meus Mentores Espirituais o paraibano Augusto dos Anjos, que revelou a Francisco de Paula Cândido Xavier, no seu primeiro livro publicado pela FEB sob o título PARNASO de Além-Túmulo, precisamente as paginas 121 – Voz do Infinito, I – 5º verso (O corpo, desde o embrião inicial, era um mero atavismo revivendo; a Alma era a molécula sofrendo, afastada do Todo Universal). Ocasião que me foi revelado de forma unanime pelos Espíritos Diversos comunicantes, que cada célula constituída de moléculas é uma Alma unitária e que Seres mistos, inclusive os humanos são constituídos de mais de 10 vezes 100 trilhões de células moleculares almáticas que se renovam, nascendo e morrendo num curto espaço de tempo, para perpetuar a Cadeia Multidimensional Alimentar de Presas e Predadores pela morte. Esta é uma das abstrações místicas que o “EU MENTE PSIQUE ESPÍRITO” sente na ausência temporal ou definitiva daquelas Almas mortais perpetuadas como alimento na vida pelo “EU MENTE PSIQUE ESPÍRITO” que as criam e as dirigem e isto, lhes proporciona sob nostalgia diante da ausência, que manifesta uma sensação de perda parcial ou total, devido à transformação; adaptação ou extinção.

       Um forte abraço e beijos nos corações iluminados. Dilmar Dutra e Marlene Daltro, parceiros nos estudos livres e sócios no site www.dilmardutra.com.br