“UM MITO ESPIRITA CHAMADO OBSESSÃO”


Imprimir 

Autoria: A Consciência Espiritual que interagiu com o ser humano almático, rotulado com o nome civil de “IMHOTEP” Sumo Sacerdote da Escola de Mistérios Espirituais do Olho de Hórus, que funcionou no subsolo da Pirâmide Escalonada em Saqqara no Egito Antigo, foi o criador da Medicina. – IMHOTEP recebeu dos Gregos, vários outros nomes como: “Hermes Trismegisto” que significa (O Três Vezes Grande), bem como, “Esculápio” e “Asplégios”. O símbolo chamado de “Caduceu” foi também, criado por ele, e está presente nos anéis de Médicos e Dentistas.

Hoje esta Consciência está interagindo com a Consciência do Biomédium Dilmar Dutra, autodidata em Ciências Integrais em Perfeita Sintonia com a Espiritualidade Ecumênica e Universalista – Escritor Científico e Espiritual que vem recebendo mensagens esclarecedoras que tem como objetivo desmistificar incongruências como esta a seguir:

Na trajetória da existência de nosso site www.dilmardutra.com.br. – Fizemos apenas, uma só matéria abordando o tema obsessão na parte V da matéria sob o Titulo: “A Mente fora do Corpo”, postada em 13.08.2011 totalmente sob minha ótica e opinião, que de certa forma é agora confirmada por Imhotep pelas informações Espirituais de que as chamadas obsessões em sua grande maioria são elucubrações arbitrais de Seres Humanos sob forte influência do Medo alimentando a idéia de que o Campo Espiritual representa uma grande ameaça para obsessores e obsediados na qualidade de Almas-Grupo, devido ser o Espírito aquele que regula o sistema imunológico, noção não compreendida e deturpada por desinformações e fora da realidade Espiritual e da Gênese Fisicabioquimica. Condição dolosa ou culposa sob influenciáções carismáticas, de Almas-grupo viventes e adeptas de doutrinas induzidas e fanatizadas baseadas nos chamados textos religiosos, místicos ou exotéricos de crença, que engessam por sentença informações equivocadas consagradas como se verdade fosse, onde ritualísticas obsessivas provocadas carismaticamente e alucinogenamente por sons, por danças e por cantos alem de influências plasmadas no meio ambiente contaminados por gazes chamados de primitivos, do sistema anaeróbicos provenientes de fendas nas placas tectônicas em cavernas ou em ambientes preparados para uso de produtos alucinógenos de bebidas a plantas, fungos e animais da Diversidade Planetária, criam um clima propicio a obsessão.

Imhotep afirma categoricamente que não existe Espírito obsediado nem obsediando, não existe morto obsediado nem obsediando. A obsessão é um fenômeno exclusivo de vivos com a ciência arbitral de condutas fora do comportamento igualitário com total ausência do amor por si mesmo e principalmente pelo semelhante propagando a verdade do poder egoístico e misterioso objetivando suas pretensões.

A verdade absoluta é uma só, e só DEUS a conhece, os humanos tomam ciencia de meias verdades parciais e relativas, criam suas versões e as dogmatizam na contramão das Consciências Espirituais, que sempre os trazem informações atualizadas, mostrando-os novos paradigmas, através das revelações, ou de estudos científicos sérios e comprovados no presente, para descartar as informações desatualizadas, que foram usadas num passado remoto e que não evoluíram para ocupar os espaços nas consciências evolutivas e expansionistas, e a não aceitação, dessas informações atualizadas, dá lugar pelo conservadorismo, as formas antigas engessadas e dogmatizadas por sentenças, e que, por muitas razões particulares, ou de interesses outros, levam-os a reprimir idéias que conduzem aos seus questionamentos íntimos e internos de forma obsessiva fora do amor ou ainda, o cuidado de guardar silêncio para evitar o confronto com as parcerias e adeptos dos mesmos objetivos, para se sustentarem acreditando por uma questão de fé cega doutrinada e catequizada por seus parceiros de estudos sistematizados.

Só que agora com adentramento nesta “Nova Era” tão comentada e esperada, onde os Estudos Livres são uma realidade e que muitos humanos acreditam estar no ponto de mutação e os “avanços científicos e tecnológicos” vão sustentado com congruência e pertinência trazendo novos resultados com muita credibilidade nas Ciências Integrais em perfeita sintonia com a Espiritualidade Ecumênica e Universalista, abandonando estudos sistematizados e dogmatizados numa troca lógica incontestável que sob observação, vem os mostrando haver chegado o momento certo, através de uma cognição compreendida, que se manifesta em não aceitar incongruências e dogmas engessados por sentenças, na contramão dos resultados científicos em consórcio com as últimas revelações Espirituais, mostrando que muitos diagnósticos de possíveis obsessões são na verdade provenientes de defeitos nas células e moléculas que trazem efeitos colaterais confundidos com obsessão.

As obsessões espirituais foram crenças criadas e reducionistas, consagradas e engessadas pelos espertos sacerdotes a serviço de Ptolomeu I, e a posteriore adotada por Instituições de Fé. Ptolomeu I, que ao tornar-se faraó, adotou o Livro dos Mortos Egípcios copiando-o dos Tibetanos e modificando-o de acordo com os seus interesses. Estes Livros podem ser consultados no “YouTube” pelo documentário com o mesmo nome. Pregando uma imortalidade de almas e almas-grupo, que se consagrou na humanidade em confronto com a verdade absoluta espiritual, de que tudo que vive morre. Invertendo assim os valores e dando as almas mortais estátus de “Espíritos Eternos” pela equivocada “imortalidade” estabelecida por um dogma codificado e dado pelos sacerdotes Egípcios, que criaram a Indústria da Morte. Esse código era feito em papiro e dependendo do acordo de trabalho, podia ter vários metros de cumprimento e de acordo com a posse de quem o desejasse com a garantia de uma mumificação ou embalsamento, para não perder o seu corpo, tudo isso era trocado por serviços braçais a ser usado em suas obras Faraônicas, ou pago em ouro e pedras preciosas, e ainda, outros objetos de valores diversos, como condição de obterem um código que ensinava os humanos a enganar o Demônio, para que ele não devorar as suas almas-grupo.

O demônio é uma invenção “Tibetano-Egípcia”. Assim como, os seguidores do Demônio eram chamados de Obsessores ou Espíritos do Mal. Esta história tomou vulto na Europa quando o Frances “Alphonse Louis Constant”, conhecido pelo pseudônimo de “Elipas Levi” reproduziu a figura do Demônio comedor de Almas-Grupo de humanos, como algo meio homem, meio bode, e o chamou de Baphomet ou Bafomet e seus seguidores de Obsessores, ou idéias de Encostos, para atormentar Seres Humanos, que não tinham o perfil religioso desejado.

Imhotep nos assegura que não existem Espíritos do Mal. E define o Espírito como “O Eu Mente Psique”, sem uma localização exata em um Campo Morfogenético Inteligente de Criação Eterno, que a partir de ações biofotônicas e de reações codificadas como Almas Viventes, pertencentes à Cadeia de Prezas e Predadores transitória que perpetua na morte o valor nutritivo dos alimentos para estabelecer o modo continuo.

O espírito eterno, pré existia, existe e existirá infinitamente na expansão de consciências, não nasce não vive, não morre e não vai para a extinção e não está programado para obsediar ou ser obsediado. Na verdade o Espírito por ser um Campo sem uma localização exata, apenas interage com corpos que estão contidos dentro de si, são como DEUS e só criam dentro de si. E isto impede que se invertam os valores como se o Espírito estivesse dentro do corpo é justamente o contrario são os corpos que estão dentro do Campo.

As almas viventes, criadas pelos espíritos dentro de seus pensamentos, chamados de campo morfogenéticos, nascem, vivem, morrem e vão para a extinção na desativação dos códigos RNA e DNA constituídos de corpos a partir das moléculas e células para nascer viver, morrer e ir para a extinção na desativação de seu código e tem muitas possibilidades de terem células de sua própria constituição manifestadas com defeitos, face toda a sua constituição preceder do meio ambiente. A incompreensão, e a total falta de informações sobre moléculas e células levaram os humanos a criarem dogmas equivocados e conceitos incongruentes que foram consagrados e que são verdadeiros engodos (blefe de fé) ou (dano na cognição) sem a reflexão da lógica ou escravidão pelo egocentrismo humano de idéias fanáticas consagradas com grandes probabilidades de estresse e obsessão..

Com estas revelações espirituais em sintonia com cientistas pesquisadores do mundo inteiro vamos citar como exemplo: a Dra Catherine Apong - Líder da pesquisa dos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA, que comprovaram por descobrimentos onde foi constatado defeito que causam deficiências nas células provenientes de carência ou excesso de proteínas que se chamam NAP e SAL e que são essenciais para o funcionamento das células gliais, que alimentam o sistema nervoso e no caso em questão, abordou-se os neurônios para anular o déficit cognitivo, causado pela síndrome de Down.

Imhotep nos revela que estas pesquisas irão levar a muitas curas se aliadas aos tratamentos psicossomáticos, onde o “EU MENTE PSIQUE ESPIRITO”, sob interação, ativa o sistema imunológico ligado ao RNA, para produzir de modo natural pela farmacologia interna do corpo físico as proteínas e suprir o organismo substituindo as células defeituosas por células sadias e isto vale, para todas as síndromes e distúrbios bipolares, demências, psicoses, e alienações psíquicas, etc., funcionando como autocorreção pelo amor a si próprio.

Se por um motivo de incapacidade para não praticar o Amor por si mesmo. Estes pacientes poderão contar, já nas próximas décadas, com o concurso da biologia molecular e celular, bem como, de toda Engenharia Genética, a serviço da causa e que poderá ter uma importante participação no contexto destas enfermidades, jogando por terra os mitos e equívocos de que tudo é obsessão.

Ao corrigir as moléculas e células defeituosas e substituí-las por células moleculares sadias, irá desaparecer como que por encanto, a elucubração denominada obsessão de forma generalizada, e o Campo de Influencia contido no meio ambiente volta ao equilíbrio e a harmonia que disponibiliza todos os elementos bioquímicos para sustentar a vida sadia, já o desequilíbrio e a desarmonia entre excesso e carência, causam as enfermidades manifestada em defeitos em quaisquer células que não seja só as células da glia.

Vou dar um exemplo para consubstanciar as informações, diante de uma enfermidade não psíquica, que também pode levar a comportamentos fora dos padrões normais de conduta humana, denominada DIABETES que se manifesta como hipoglicemia ou hiperglicemia, fica demonstrada a carência de glicose, ou o excesso desses açucares no organismo, e isto provoca um desequilíbrio enorme, que pode levar aos adeptos de elucubrações e obsessões, a afirmarem que o cidadão diabético, está obsediado. Obs.: Se a célula apresenta um defeito ou um grupo de células de um órgão não produz as substâncias necessárias as suas funções ou as produz, e as mesmas são aprisionadas nas gorduras, também, é um defeito a ser considerado e pode ser corrigido a partir do campo de influencia dirigido pelo Espírito que é uma de suas principais funções e que pode também, restaurar o campo criado para fazer o bem, já as Almas-grupo multicelulares podem ser induzidas pelas mitomanias fanatizadas a fazer o mal, depende do seu livrearbítrio, que pode manifestar com culpa ou dolo o seu pensamento, jogando-o, no meio ambiente com plasma ou com ectoplasma. Se nada jogar com dolo, só com culpa, ameniza-se o efeito da causa dolosa e a manifestação pode ser de neutralidade e ingenuidade culposa.

Um forte abraço e beijos no coração.

Dilmar Dutra e Marlene Daltro parceiros nos estudos livres e sócios no site www.dilmardutra.com.br